16:58 26 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Caaba na cidade santa de Meca, Arábia Saudita

    Arábia Saudita prende cinco suspeitos que planejavam atacar a Grande Mesquita em Meca

    © flickr.com/ UmmSqueaky
    Oriente Médio e África
    URL curta
    241121

    As forças de segurança da Arábia Saudita detiveram cinco suspeitos de terrorismo, incluindo uma mulher, que participaram da fracassada tentativa de atacar a Grande Mesquita na cidade sagrada de Meca, disse o Ministério do Interior saudita nesta sexta-feira.

    Em um comunicado, publicado pela emissora estatal Al Arabiya, o ministério afirmou que os terroristas tinham como alvo os fieis que se reuniram no local mais sagrado do Islã para celebrar o mês do Ramadã.

    Os cinco extremistas alegadamente faziam parte de uma célula terrorista. Um total de três grupos terroristas estavam envolvidos nos preparativos do ataque — dois em Meca e um em Jeddah, de acordo com os relatórios do ministério saudita.

    A emissora informou que um homem-bomba teria sido detectado pelas forças de segurança no distrito de Ajyad, no centro de Meca, nesta sexta-feira. Ele tentou escapar, mas depois de ficar encurralado, acionou os explosivos presos ao corpo e morreu. A explosão feriu 11 pessoas, incluindo cinco policiais.

    O ministro das Relações Exteriores dos Emirados Árabes, Abdullah bin Zayed bin Sultan Al Nahyan, classificou os preparativos para o atentado de um "crime horrível" e afirmou que o evento fortaleceu a sua determinação em lutar contra o terrorismo. Bahrein, Kuwait e Egito também condenaram o atentado.

    Mais:

    Houthis disparam míssil balístico contra cidade sagrada de Meca
    Aiatolá Ali Khamenei cobra do mundo islâmico investigação de mortes em peregrinação a Meca
    Governo da Arábia Saudita responsabiliza peregrinos por tragédia em Meca
    Acidente com guindaste mata pelo menos 107 pessoas em Meca
    Tags:
    homem-bomba, atentado terrorista, Abdullah Bin Zayed Al Nahyan, Meca, Arábia Saudita
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik