08:43 22 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Donald Trump durante sua visita a Riade, Arábia Saudita, 21 de maio de 2017

    Opinião: apoio dos EUA à Arábia Saudita abala balança de poderes no Oriente Médio

    © REUTERS/ Saudi TV
    Oriente Médio e África
    URL curta
    9118820

    Os EUA abalam o balanço de poderes no Oriente Médio ao prestar apoio à Arábia Saudita, declarou o chefe da Organização de Energia Atômica do Irã, Ali Akbar Salehi.

    No artigo escrito para o jornal britânico The Guardian, o especialista escreve que o "dilema de segurança" é o primeiro e principal obstáculo para cumprimento do acordo nuclear entre o Irã e os países do Ocidente (Europa e EUA). Segundo ele, os parceiros do acordo precisam decidir a finalidade de se ter força e poder: para garantir paz na região ou "para vantagem própria".

    "A corrida ao poder militar, que supera as exigências necessárias para garantir a paz, provoca preocupações em outros, bem como ameaça a estabilidade. Por exemplo, a venda, realizada pelos EUA, de armamentos a alguns parceiros tradicionais do Oriente Médio, bem como as compras ostensivas e de desperdício de armas, realizadas por esses atores regionais… são muito provocativas", frisa.

    Por exemplo, em junho, EUA e Arábia Saudita chegaram ao acordo de aquisição de armamentos e material militar blindado norte-americano correspondente a mais de 100 bilhões de dólares (R$ 333,4 bilhões).

    Segundo Salehi, apenas uma posição, que leva em consideração as capacidades políticas, econômicas e culturais dos países, bem como seu estatuto regional, necessidades e ameaças, contribuirá para intensificação e desenvolvimento de entendimento mútuo entre os atores regionais. Ideias alternativas sobre conflitos religiosos, regionais ou entre civilizações levarão à desestabilização tanto na região como no mundo.

    "Fatos alternativos que buscam criar crises inúteis… Tais ideias como 'colisão das civilizações', 'conflito entre xiitas e sunitas', 'hostilidade árabe-persa' e 'eixo árabe-israelense contra o Irã' são exemplos de uma realidade alternativa, criada para objetivos imprecisos", concluiu o especialista.

    Forças dos EUA em Manbij, Síria, foto de arquivo
    © AFP 2017/ DELIL SOULEIMAN
    Depois de o Irã realizar o teste de míssil balístico de médio alcance em 29 de janeiro, EUA ampliaram a lista de sanções. Elas estão ligadas ao programa iraniano de criação de mísseis balísticos e ao grupo Líbano de Hezbollah, considerado organização terrorista por Washington.

    No dia 5 de junho, a Arábia Saudita, os Emirados Árabes Unidos, Bahrein e o Egito anunciaram o rompimento das relações diplomáticas com o Qatar, acusando Doha de apoiar organizações terroristas e desestabilizar a situação no Oriente Médio. A eles se juntaram o Iêmen, o governo interino da Líbia, a Mauritânia, Comores, as Maldivas e Maurício.

    Mais:

    'Com Irã não se brinca': uma mensagem clara a Israel, EUA e Arábia Saudita
    Washington alerta: Daesh ameaça a segurança da Arábia Saudita
    Pentágono elogiou o papel da Arábia Saudita no combate ao terrorismo
    Irã: Trump está 'sugando' dinheiro da Arábia Saudita
    Tags:
    crise, conflito regional, região, balança de poder, segurança internacional, armamentos, entregas, Organização de Energia Atômica do Irã, Ali Akbar Salehi, Oriente Médio, Arábia Saudita, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik