03:11 22 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    O chanceler russo, Sergei Lavrov, e seu homólogo qatarense, Mohammed bin Al-Thani, durante a reunião em Moscou, em 10 de junho de 2017

    Chanceler do Qatar se reúne com Lavrov em Moscou em busca de apoio

    © Sputnik / Maksim Blinov
    Oriente Médio e África
    URL curta
    40250
    Nos siga no

    Hoje (10) de manhã, em Moscou teve lugar uma reunião entre o chanceler russo Sergei Lavrov e seu homólogo qatarense, Mohammed bin Al-Thani, que chegou à Rússia para buscar apoio no âmbito do recém-despoletado escândalo diplomático em torno de Doha.

    No início do encontro, o chefe da diplomacia do Qatar agradeceu ao ministro russo pela ajuda na solução de problemas que surgiram após a ruptura de relações diplomáticas com Doha por uma série de países árabes da região e expressou sua esperança na manutenção do diálogo.

    O chanceler russo, por sua vez, manifestou que a Rússia não intervém nos assuntos internos dos outros países ou nas suas relações com terceiros países, mas está muito preocupada com o deterioramento das relações entre seus parceiros. Lavrov frisou que Moscou considera importante que "quaisquer divergências se resolvam à mesa das negociações e através de um diálogo reciprocamente respeitoso e em igualdade de direitos".

    "O objetivo final desta visita é dar a conhecer à Rússia os eventos e as medidas empreendidas contra o Qatar. Particularmente, as medidas ilegítimas. Neste aspecto, gostaria de confirmar a postura do Qatar de que todos os litígios devem se resolver através do diálogo, sendo o formato do Conselho de Cooperação dos Estados Árabes do Golfo é mais oportuno para tal diálogo", sublinhou o ministro do Qatar.

    Sergei Lavrov, por sua vez, realçou que, na opinião da chancelaria russa, a maior ameaça para os países do golfo Pérsico hoje em dia é o terrorismo, e a luta contra ele só pode ser assegurada através de uma união entre os países da região e os atores estrangeiros.

    Estrela de rubi de uma das torres da fortaleza do Kremlin. Ao fundo, Grande palácio do Kremlin (foto de arquivo)
    © Sputnik / Aleksei Druzhinin/Anton Denisov/Serviço de imprensa do presidente russo
    "Claro que é preciso enxergar o mais importante no contexto de tudo o que se passa, e o mais importante, em nossa opinião, é que o terrorismo hoje em dia representa a maior ameaça aos países da região e fora dela. É essencialmente importante se focar em cooperar, unir os esforços para prevenir e neutralizar esta ameaça", ressaltou.

    O ministro adiantou que "é precisamente por esta postura que nós [Ministério das Relações Exteriores da Rússia] mantemos o contato com a maioria dos participantes dos processos que estão decorrendo e realizamos conversas telefônicas do presidente russo com seus colegas na região".

    "Nossa conversa de hoje dará continuidade a estes esforços. Tudo o que a Rússia possa fazer, tendo o acordo ou interesse das partes envolvidas, tudo isso nós iremos tentar concretizar", adiantou.

    Mais cedo, no dia 5 de junho, seis países árabes, começando com o Bahrein, declararam a ruptura de relações diplomáticas com o Qatar. Depois do Bahrein, essa decisão foi tomada pela Arábia Saudita, Egito, Emirados Árabes Unidos, Iêmen e Líbia.

    Posteriormente, as Maldivas seguiram a mesma ação de ruptura de relações. Tal decisão drástica é explicada pelo suposto apoio prestado por Doha ao terrorismo. Bahrein também suspendeu as comunicações aérea e marítima entre Manama e Doha, proibindo que seus cidadãos visitem o Qatar e vice-versa. Por sua vez, o Qatar nega as acusações.

    Mais:

    Irã começa a enviar alimentos ao Qatar em meio ao bloqueio
    Objetivo da ruptura de relações diplomáticas com Qatar – fazer o país se afastar do Irã
    Diplomacia russa discute situações de Síria e Qatar com embaixador saudita
    Rússia apoia resolução diplomática para crise do Qatar
    Tags:
    encontro bilateral, negociações, Conselho de Cooperação dos Estados Árabes do Golfo (GCC), Sergei Lavrov, Rússia, Qatar
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar