18:07 07 Abril 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    14312
    Nos siga no

    Os Estados Unidos e a Arábia Saudita assinaram um acordo de venda de armas que pode chegar a US$ 350 bilhões nos próximos 10 anos. US$ 110 bilhões serão concretizados em curto prazo.

    A venda foi fechada durante a visita de Donald Trump à monarquia árabe, neste sábado (20). A Arábia Saudita é um aliado de longa data de Washington na região.

    "Este pacote de equipamentos e serviços de defesa apoia a segurança de longo prazo da Arábia Saudita e da região do Golfo em face das ameaças iranianas, além de reforçar a capacidade do Reino de contribuir para operações contra o terrorismo em toda a região", disse a Casa Branca em um comunicado, segundo a CNBC.

    O acordo inclui um sistema de defesa antimísseis THAAD da Lockheed Martin, semelhante ao que está sendo operado na Coréia do Sul, que custa cerca de US$ 1 bilhão, informou a Reuters citando fontes anônimas. Há, também, a previsão da venda de US$ 1 bilhão apenas em munições.

    No último mês de seu mandato, o ex-presidente Barack Obama interrompeu a venda de munições guiadas com precisão para a Arábia Saudita por preocupações de que sua força área estava atacando civis no Iêmen.

    Segundo o Instituto de Pesquisa da Paz Internacional de Estocolmo, a Arábia Saudita teve em 2015 o terceiro maior orçamento militar do mundo. Já em 2016, o país do Oriente Médio caiu para a quarta posição, atrás de Estados Unidos, China e Rússia.

    Mais:

    Chanceler russo Sergei Lavrov nega ter discutido demissão do chefe do FBI com Donald Trump
    Arábia Saudita enfrenta ataque de mísseis na véspera da chegada de Trump
    Maduro acusa Trump de tentar ‘intervenção imperialista’ na Venezuela
    Rússia está pronta para entregar gravação da conversa entre Trump e Lavrov
    Congressista dos EUA pede impeachment de Trump em discurso na Câmara
    Tags:
    Instituto de Pesquisa da Paz Internacional, Lockheed Martin, Donald Trump
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar