04:52 22 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    13210
    Nos siga no

    No outono deste ano, no Irã será comemorado o 38° aniversário da tomada da embaixada dos EUA em Teerã, ou do chamado "ninho de espionagem".

    Hoje, o grande território da antiga embaixada americana no Irã, que fica no centro da capital do país, é um verdadeiro lugar de atração. Este "ninho de espionagem" se tornou um museu que é um símbolo da vitória sobre "o grande Satã". O museu se chama 13 de Shaban – em homenagem à data da tomada – 13 de shaban de 1358 (4 de novembro de 1979) e está aberto a excursões.

    Nas paredes do cercado há cartazes de conteúdo antiamericano e anti-israelense com inscrições do tipo "Morram os EUA!", "Morra Israel!" e pinturas da Estátua da Liberdade com um crânio que, segundo as autoridades iranianas, simboliza o mal.

    Hoje, no museu em questão estão expostos documentos secretos, relatórios da CIA, vários aparelhos de espionagem, algumas paredes estão cobertas com figuras que simbolizam, segundo as autoridades, a política imperialista dos EUA.

    Em uma entrevista à Sputnik Persa, o conselheiro do chanceler iraniano, Hossein Sheikholeslam, que participou da tomada da embaixada dos EUA em Teerã, partilhou suas recordações.

    "Durante os cinco anos após o golpe de Estado [do ano de 1953 no Irã], foram realizadas muitas prisões, torturas e execuções. De fato, o xá foi reposto [depois de sua fuga] no país pelos americanos na qualidade de seu camareiro mercenário. Todos os crimes contra o povo iraniano [os EUA] realizavam usando o xá como marionete", conta Sheikholeslam.

    Aparelhos de cifragem e equipamento que servia para falsificação de documentos
    © Sputnik / Soheil Ghanbarzadeh
    Aparelhos de cifragem e equipamento que servia para falsificação de documentos

    "A razão prévia para o ataque e tomada da embaixada americana foi o fato que havia a probabilidade de outra conspiração dos EUA para realizar um golpe de Estado semelhante ao de 1953", explicou o especialista.

    Depois da tomada da embaixada americana, foram descobertos documentos que provam uma intervenção direta nos assuntos internos do Irã. Estes documentos indicavam os nomes de políticos recrutados e de células de espiões no país, lembra Hossein Sheikholeslam. Todos esses documentos agora estão expostos no museu para os iranianos e outros os poderem ver e ler com seus próprios olhos.

    Lugar de enterramento dos estudantes iranianos que morreram durante a tomada da embaixada
    © Sputnik / Soheil Ghanbarzadeh
    Lugar de enterramento dos estudantes iranianos que morreram durante a tomada da embaixada

    Lembramos que no dia 4 de novembro de 1979 um grupo de estudantes iranianos tomou a embaixada dos EUA em Teerã, que, segundo eles, se tornou um "ninho de espionagem", onde eram desenvolvidos planos secretos para derrubar o governo iraniano que chegou ao poder depois da vitória da revolução islâmica do país. Os 52 cidadãos norte-americanos estiveram detidos no edifício da embaixada por 444 dias.

    Mais:

    Secretário de Estado dos EUA: 'Acordo Nuclear com o Irã não conseguiu atingir objetivos'
    Independência do Irã 'exaspera' EUA
    'EUA continuarão pressionando a Rússia e o Irã para levarem Assad à Justiça'
    Tags:
    embaixada, museu, espionagem, Teerã, Irã, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar