19:31 15 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    A380 da Emirates aterrissando no Aeroporto Internacional de Dallas/Fort Worth, no Texas (arquivo)

    Emirates corta voos para os Estados Unidos

    © AP Photo/ Brandon Wade
    Oriente Médio e África
    URL curta
    4102

    A maior companhia aérea do Oriente Médio está reduzindo em 20% o número de voos para os Estados Unidos por conta das medidas de segurança mais duras impostas pelo presidente Donald Trump.

    Segundo a Emirates, dos Emirados Árabes Unidos, a tentativa da atual administração em Washington de bloquear a entrada de cidadãos provenientes de países de maioria muçulmana afetou significativamente os negócios da empresa, mesmo depois de o plano de Trump ser derrubado pela Justiça dos EUA. Além disso, ainda de acordo com a companhia, a proibição do uso de laptops e outros dispositivos pessoais durante voos com origem em determinadas cidades, incluindo Dubai, também reduziu a demanda por passagens. 

    "As recentes ações adotadas pelo governo dos EUA em relação à emissão de vistos de entrada, maior controle de segurança e restrição a dispositivos eletrônicos dentro das aeronaves tiveram impacto direto no interesse do consumidor e na demanda por viagens aéreas aos EUA", afirmou a Emirates em comunicado.

    Os negócios da companhia tiveram um forte aumento durante a administração de Barack Obama, mas a empresa já registra uma grande perda de crescimento e performance desde que Donald Trump assumiu a presidência dos Estados Unidos. 

    Mais:

    Novo decreto sobre entrada nos EUA pode excluir Iraque
    EUA negaram entrada a 720 pessoas de 7 países após decreto de Trump
    Protesto contra decreto de Trump que proíbe entrada de refugiados paralisa aeroporto JFK
    Tags:
    imigração, visto, Emirates, Barack Obama, Donald Trump, Dubai, Emirados Árabes, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik