13:01 20 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Um homem chora carregando a sua filha fugindo em direção das forças especiais iraquianas na parte de Mossul controlada pelo Daesh (proibido na Rússia), 4 de março de 2017

    Anistia Internacional denuncia violações do direito humanitário internacional em Mossul

    © REUTERS / Goran Tomasevic
    Oriente Médio e África
    URL curta
    281

    A ONG Anistia Internacional acusou a coalizão militar, liderada pelos Estados Unidos, de "flagrante violação do direito internacional humanitário" em Mossul, no Iraque.

    As tropas, que participam da operação para libertar a cidade do grupo terrorista Daesh, não tomar precauções para evitar altos índices de mortaidade entre os civis, informou a organização defensora de direitos humanos. 

    "As evidências recolhidas em Mossul oriental apontam para um padrão alarmante dos ataques aéreos da coalizão, liderada pelos EUA, que destruíram casas inteiras com famílias dentro. O alto número de civis mortos sugere que as forças da coalizão que lideram a ofensiva em Mossul não tomaram as precauções adequadas para prevenir as fatalidades, em flagrante violação do direito internacional humanitário", disse Donatella Rovera, consultora de crise da Anistia Internacional.

    Ela pediu ao governo iraquiano e à coalizão liderada pelos EUA que lancem uma investigação sobre ataques "desproporcionais" e "indiscriminados" que resultaram em "terrível número de mortos civis".

    Na quinta-feira passada, a mídia relatou a morte de pelo menos 200 pessoas, muitas das quais civis, durante um ataque aéreo na cidade.

    A operação iraquiana para reconquistar Mossul, a fortaleza-chave do Daesh no Iraque, começou em outubro de 2016 e resultou na liberação da parte oriental da cidade em janeiro deste ano. Os combates, entretanto, continuam no oeste de Mossul.

    A ONU estima que 180 mil civis tenham escapado do oeste de Mosul desde meados de fevereiro. Mais de 320 mil pessoas devem fugir nas próximas semanas, enquanto as forças governamentais continuam avançando para a Cidade Velha.

    Mais:

    Iraque suspende operação de Mossul devido ao grande número de vítimas entre civis
    Rússia solicita consultas sobre situação em Mossul
    Mais de 80 corpos de civis são encontrados sob escombros em Mossul
    Fontes: pelo menos 200 pessoas morreram em ataques aéreos em Mossul, a maioria civis
    Tags:
    civis, ataques aéreos, direito internacional humanitário, direito internacional, Anistia Internacional, Donatella Rovera, EUA, Iraque, Mossul
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik