08:32 13 Junho 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    0 0 0
    Nos siga no

    O Tribunal Penal da cidade de Rashid condenou 56 pessoas de 7 a 10 anos de prisão pelo naufrágio de um barco que matou 203 imigrantes ilegais.

    O tribunal declarou todos eles culpados de homicídio culposo, negligência e fraude, entre outras acusações. Além disso, no processo de investigação foi descoberto que eles usaram o barco sem licença. De todos os réus, apenas 31 estavam presentes na sala do tribunal.

    Em 21 de setembro de 2016, um navio de pesca com 450 migrantes a bordo do Sudão, Síria, Somália, Eritreia e Egito naufragou perto do porto de Rashid, no Mar Mediterrâneo. Durante a operação de resgate, cerca de 200 pessoas foram escoltadas com segurança.

    No entanto, outros 203 migrantes — a maioria crianças — morreram. Cada migrante pagou cerca de US $ 2.000 para os traficantes para chegar à costa italiana, de acordo com a mídia local.

    De acordo com a Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR), a rota marítima para a Itália é "particularmente perigosa" e em 2016 5.000 pessoas morreram nessa área.

    Mais:

    Itália recupera 217 cadáveres de naufrágio no Mediterrâneo
    Naufrágio no Egeu deixa 18 crianças mortas
    Novo naufrágio expõe problema alavancado após intervenção da OTAN e dos EUA na Líbia
    Tags:
    Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados, Acnur, Rashid, Eritreia, Mar Mediterrâneo, Somália, Egito, Itália, Síria, Sudão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar