12:12 23 Maio 2018
Ouvir Rádio
    Segurança perto do Palácio de Justiça em Damasco, onde se explodiu homem-bomba do Daesh, 15 de março de 2017

    Por que Daesh explodiu Palácio de Justiça em Damasco?

    © AFP 2018 / STRINGER / AFP
    Oriente Médio e África
    URL curta
    Caos em Damasco (15)
    207

    O ministro da Justiça da Síria, Najm al Ahmad, declarou à Sputnik Árabe que a explosão do Palácio de Justiça em Damasco é uma tentativa dos terroristas de ocultar suas crimes no país. A razão é fácil: é ali onde ficam todos os documentos e evidências de crimes realizados pelo Daesh durante toda a guerra no país.

    Damasco, Síria
    © Sputnik / Mikhail Voskresenskii
    O homem-bomba do Daesh (organização terrorista proibida na Rússia), que se explodiu perto da entrada, estava vestido com uniforme militar, passando despercebido pelas pessoas que estavam no local. Se tivesse conseguido entrar no edifício, as consequências da explosão teriam sido muito piores.

    Segundo informações anteriores, a explosão resultou em 35 mortos e 45 feridos, além disso, o edifício foi fortemente danificado. Tais ações dos terroristas são de se esperar, pois eles assassinam, explodem e destroem, acrescentou al Ahmad à Sputnil Árabe.

    O ministro acrescentou que o segundo terrorista, que não conseguiu se explodir, foi detido. Além disso, uma investigação será efetuada sobre a explosão e não há dúvidas de que o atentado esteja lidado às vitórias do exército sírio e avanços diplomáticos nas negociações em Astana e Genebra.

    Tema:
    Caos em Damasco (15)

    Mais:

    Explosão atinge Palácio de Justiça em Damasco deixando dezenas de mortos
    Alemanha condena ataque a bomba em Damasco
    Síria apela para que ONU condene duplo ataque terrorista em Damasco
    Explosão dupla mata pelo menos 30 pessoas em Damasco
    Tags:
    negociações, ataques terroristas, militares, civis, feridos, mortos, razão, provas, arquivos, documentos, homem-bomba, explosão, Daesh, Genebra, Astana, Damasco, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik