19:28 15 Setembro 2019
Ouvir Rádio
    Donald Trump, presidente dos EUA

    Em 7 dias, Trump conseguiu ser mais eficaz contra células da Al-Qaeda que Obama em um ano

    © AFP 2019 / NICHOLAS KAMM
    Oriente Médio e África
    URL curta
    883
    Nos siga no

    Na semana passada, os EUA efetuaram mais ataques aéreos no território do Iêmen do que durante qualquer ano da administração de Barack Obama.

    No início de março, 40 alvos foram atingidos por ataques aéreos e drones, comunicou a revista Foreign Policy, frisando que a administração do novo presidente Donald Trump parece ser muito mais rápida em dar luz verde aos ataques do que sua antecessora.

    O ex-alto oficial de defesa americano comparou o processo de decisão da administração anterior no qual "a administração adulava o Conselho de Segurança Nacional que nem um melaço", frustrando os planejadores militares, com a nova abordagem expedita da atual administração, na qual os militares parecem ter um papel maior na tomada de decisões, e na qual a ação vem na frente das palavras.

    Pelo visto, é também mais fácil fazer as decisões avançarem com uma equipe pequena, já que muitos postos-chave da administração Trump continuam vagos.

    "Parece que tudo se processará de modo muito mais rápido que sob a presidência de Obama", disse à Foreign Policy o ex-oficial do Pentágono.

    Os EUA têm como alvo principal a assim chamada Al-Qaeda na Península Arábica, ou a AQAP, que tem ganhado terreno no Iêmen à medida que o país se vê dilacerado pela guerra civil. A inteligência americana acredita que a AQAP está determinada a atacar o Ocidente e usar a guerra no Iêmen para ganhar força enquanto o mundo está envolvido na luta contra o Daesh.

    Os ataques contra a AQAP, porém, também mataram civis e ao menos duas crianças apenas durante a semana passada, comunicou a emissora latino-americana TeleSUR.

    Ao mesmo tempo, o país está cada vez mais mergulhado na fome, sendo que, conforme a ONU, serão 12 milhões de iemenitas que necessitam de apoio vital neste ano.

    "A despeito das numerosas complexidades do Iêmen, está claro que as partes beligerantes não estão fazendo bastante para minimizar os danos civis", afirmou a pesquisadora do Iêmen e Kuwait junto à Human Rights Watch, Kristine Beckerle, ao VICE News.

    "Em vez de dar luz verde a mais vendas de armamentos à Arábia Saudita, aumentando os riscos quanto aos futuros crimes de guerra da coalizão, os EUA têm que exercer pressão sobre seus aliados para que estes cumpram as leis de guerra, e garantir que suas próprias forças façam o mesmo", observou a especialista.

    Em dezembro, os EUA forneceram o maior lote de armas para seu aliado, a Arábia Saudita, não obstante as preocupações com as baixas civis na guerra (no governo de Obama, os EUA venderam armas no valor de 100 bilhões de dólares aos sauditas). A Arábia Saudita está apoiando as forças governamentais iemenitas, enquanto seu rival regional, o Irã, continua ajudando os rebeldes houthis.

    Trump, por sua vez, indicou que ele também desejaria travar negócios de armas com os sauditas. Ele parece igualmente estar disposto a reforçar a presença militar dos EUA no Oriente Médio em geral. O presidente tem várias vezes frisado o quão poderoso pode ser o complexo militar do país se for "posto em ação".

    Na semana passada foi comunicado que a administração também planeja enviar mais efetivos para a Síria e para o Afeganistão, sendo que ela já aprovou um comando de ataque no Iêmen (na sequência do qual morreu um militar americano e 30 civis, entre eles 9 crianças), operação que Trump chamou de "bem sucedida".

    Entretanto, a aceleração brusca das ações militares no Iêmen não é apenas uma realização de Trump. Ao longo do ano de 2016, o Pentágono estudou qual seria a maneira mais eficiente de atingir a AQAP no Iêmen, e tais planos foram entregues à nova administração quando esta assumiu funções em janeiro deste ano.

    Mais:

    Opinião: Trump vai ignorar política externa e delegá-la em 'falcões'
    Trump convida líder da Palestina à Casa Branca
    Promotor especial poderá investigar 'ligações' entre administração Trump e Rússia
    Tags:
    ataque aéreo, Pentágono, Daesh, Al-Qaeda na Península Arábica (AQPA), Barack Obama, Donald Trump, Península Arábica, EUA, Iêmen
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar