23:23 17 Setembro 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    0173
    Nos siga no

    Os EUA planejam expandir seu envolvimento militar na Síria para realizar ofensiva em Raqqa, informa a mídia. Durante entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, o orientalista Aleksei Muraviev opinou que a coalizão ocidental está começando a mudar sua atitude com relação a metas e objetivos na República Árabe da Síria.

    O Ministério da Defesa dos EUA está considerando a proposta para reforçar o papel dos militares dos EUA em termos de libertação da cidade síria de Raqqa dos militantes do Daesh, escreve o jornal Washington Post, citando fontes familiarizadas com o planejamento da operação militar.

    "Propõe-se participação significativa dos militares dos EUA, incluindo forças especiais, helicópteros de combate e artilharia, bem como o fornecimento de armas das principais forças de curdos sírios e unidades árabes de campo", escreve o jornal.

    Visita do vice-primeiro-ministro russo, Dmitry Rogozin, à Síria
    © Sputnik / Sergei Mamontov
    De acordo com o jornal norte-americano, o Pentágono está discutindo a possibilidade de tirar as restrições sobre o número de tropas dos militares dos EUA na Síria, que agora tem cerca de 500 forças especiais. A edição acrescenta que, mesmo os americanos não participando de batalhas em terra, a proposta permitirá que os militares dos EUA estejam mais perto da situação na linha de frente.

    A "capital" do Daesh, Raqqa, está localizada no norte da Síria (160 quilômetros a leste de Aleppo), às margens do rio Eufrates. A cidade foi dominada por militantes em 2013. Depois disso, as forças do governo tentaram retomá-la, inclusive com a ajuda da aviação, mas sem sucesso. Em 2014, o exército sírio perdeu o controle sobre toda a província de Raqqa.

    O diretor do departamento do Oriente Médio da Escola Superior de Economia, Aleksei Muraviev, acredita que a coalizão ocidental esteja redefinindo suas metas e objetivos no Oriente Médio, especialmente na Síria.

    "Se você se lembra de como tudo começou, a intervenção inicial foi não contra os terroristas, mas contra [o presidente sírio] Bashar Assad, que viola supostamente os direitos humanos. Mas essas metas estavam cada vez mais entrando em divergência com a realidade, e agora, ao que parece, a nova administração dos EUA chegou à conclusão de que o objetivo deve ser colocado de uma maneira diferente. Isto é, como disse várias vezes [o presidente dos EUA] Donald Trump, destruir o proibido Daesh. E para isso, é claro, é preciso mudar totalmente o componente militar de toda esta operação. Portanto, a meu ver, esta avaliação entrou na fase prática", opinou Aleksei Muraviev para o serviço russo da Rádio Sputnik.

    Alguns especialistas acreditam que um possível aumento da presença militar dos militares dos EUA na Síria possa estar associado com inveja e tentativa dos EUA de neutralizar o sucesso da Rússia. No entanto, Muraviev concorda em partes com tal pensamento.

    "A Rússia, é claro, ganha, talvez não com tanto sucesso militar, mas com o processo de negociação em Astana. A coalizão não pode se gabar de nada semelhante. Mas os EUA têm sucesso determinado. Pelo menos em Mossul. Esta cidade iraquiana está quase liberada, os terroristas liderados por Abu Bakr al-Baghdadi anunciaram sua derrota e estão fugindo de Mossul. Por isso este ponto de vista tem o direito de existir, mas apenas parcialmente", diz o especialista.

    De acordo com ele, os EUA podem cooperar com a Rússia na Síria, só depende do líder norte-americano.

    "Tudo vai depender de como Donald Trump vai mexer sua mão para agir na política externa, e como eficazmente o Partido Democrata vai confrontar com a imprensa. Eu acho que Trump concorda com cooperação com a Rússia, pelo menos no Oriente Médio. No mais, todas as formas de cooperação têm sido faladas há muito tempo pelo [ex-secretário de Estado dos EUA, John] Kerry e pelo [chanceler russo, Sergei] Lavrov, durante a estadia da administração [Barack] Obama, e elas apenas podem ser desenvolvidas e implantadas. Mas o futuro desta união, mais uma vez, depende de quão libertas serão as ações da administração norte-americana", concluiu.

    Mais:

    Londres considera Assad como ameaça à segurança da Rússia e Reino Unido
    Em primeira viagem como candidata à presidência francesa, Le Pen expressa apoio a Assad
    Tags:
    Rússia, EUA, Síria, Oriente Médio, Mossul, Raqqa, Barack Obama, Bashar Assad, John Kerry, Sergei Lavrov, Abu Bakr al-Baghdadi, Donald Trump, Pentágono, Washington Post, Daesh, Rádio Sputnik, cooperação, coalizão
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar