22:48 20 Janeiro 2018
Ouvir Rádio
    Cartazes com o retrato do presidente sírio, Bashar Assad, junto ao centro de autotreinamento perto de Damasco

    'Criar uma nova república é a única maneira de manter Síria unida'

    © Sputnik/ Mikhail Voskresenskiy
    Oriente Médio e África
    URL curta
    5134

    A Rússia parece ser a favor da resolução do conflito sírio através da descentralização, com a transferência de uma parte do poder de Damasco para autoridades locais, disse doutor Emre Ersen à Sputnik, referindo-se ao plano citado como o único meio de prevenir o desmoronamento da Síria.

    O doutor Emre Ersen é professor do Departamento de Ciências Políticas e Relações Internacionais da Universidade de Mármara (Turquia). Durante conversa com a rádio Sputnik, ele explicou a situação crítica a partir do seu ponto de vista:

    "Atualmente, a Rússia está tentando se mostrar como mediadora entre os diferentes grupos que lutam na Síria. Para que isso aconteça, ela deve apelar aos grupos étnicos não árabes [no país] tais como curdos e turcomanos."

    A recente versão da Constituição síria proposta em partes por especialistas russos foi comentada pelo professor.

    O documento foi apresentado aos representantes da oposição armada da Síria durante as negociações de paz, realizadas em Astana, capital do Cazaquistão, na semana passada (dos dias 23 a 24 de janeiro).

    A proposta, entre muitas outras coisas, inclui a retirada da palavra "árabe" do nome oficial da Síria, que atualmente, oficialmente é chamada de República Árabe da Síria.

    "Acredito que [o presidente sírio Bashar Assad] esteja consciente do que ele poderia perder como resultado desta constituição. Mas acho que ele está OK quanto a isso, pois precisamos ter em mente de que a única de manter a Síria unida… seria através da criação de uma nova república no lugar da república árabe que era dominada por árabes", disse o analista.

    O entrevistado não acredita que Assad esteja mais preocupado com nacionalismo árabe, pois o importante é sobreviver.

    "E para sobreviver, a melhor opção, quanto ao meu ponto de vista, é a descentralização no país", sublinhou.

    Ersen destacou também o papel positivo que a Rússia, Turquia e o Irã desempenham no processo pacífico sírio, destacando especialmente o acordo de cessar-fogo que continua em vigor desde dezembro de 2016. 

    "Nem os EUA nem a UE até o momento conseguiram desempenhar papel militar significativo", destacou o analista, acrescentando que, com a administração de Trump, há grandes chances de a situação mudar.

    Mais:

    Putin: Reunião de Astana reconhece impossibilidade de solução militar para crise síria
    Negociações sírias em Genebra foram adiadas para incluir os curdos
    Tulsi Gabbard diz a verdade sobre a Síria e é esmagada pela mídia
    Tags:
    descentralização, resolução pacífica, opinião, Bashar Assad, Astana, Síria, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik