14:44 21 Janeiro 2018
Ouvir Rádio
    Prédios destruidos após ataque aéreo da coalizão internacional liderada pelos EUA na Síria

    Ministério da Defesa russo: coalizão dos EUA destroi infraestrutura síria desde 2012

    © AFP 2018/ AHMAD ABOUD
    Oriente Médio e África
    URL curta
    48544

    A coalizão internacional liderada pelos EUA tem realizado bombardeios sistemáticos da infraestrutura síria desde 2012 e não tem alvejado instalações petrolíferas do Daesh.

    O anúncio foi feito pelo porta-voz do Ministério da Defesa russo, major-general Igor Konashenkov, na quarta-feira (04).

    "O atual chefe da Agência Central de Inteligência (CIA) dos EUA, Brennan, está bem ciente do fato que, muito antes do início da campanha russa, a coalizão internacional tem destruído sistematicamente a infraestrutura econômica da Síria para enfraquecer o governo legítimo o mais rápido possível, apesar do fardo que representa para civis, resultando em milhões de refugiados", destacou Konashenkov.

    A declaração do Ministério da Defesa russo acontece depois de John Brennan ter acusado Moscou de usar a "política de terra queimada" na Síria.

    "Surpreendentemente, a coalizão não atacou instalações petrolíferas capturadas pelo Daesh que permitiram aos terroristas ganhar dezenas de milhões de dólares por mês através do comércio ilegal de petróleo e recrutar mercenários por todo o mundo", frisou Konashenkov.

    "Mais tarde ou mais cedo alguém vai ser responsabilizado. É por isso que a tentativa do Sr. Brennan de atenuar o golpe dificilmente ajudará. John Brennan compreende bem os resultados reais das ações russas na Síria", afirmou o porta-voz russo.

    Graças às ações da Força Aeroespacial russa, mais de 12 mil quilômetros quadrados e 499 povoações na Síria foram libertados e 35 mil militantes, incluindo 204 comandantes, foram eliminados.

    "Mas o principal resultado foi que, sem a administração cessante dos EUA, sem a CIA, foi assinado um acordo de cessar-fogo em 30 de dezembro", ressaltou Konashenkov.

    Washington e Moscou têm efetuado operações militares contra terroristas no país devastado pela guerra. A coalizão internacional liderada pelos EUA, composta por mais de 60 membros, tem realizado ataques aéreos contra alvos do Daesh no Iraque e na Síria desde agosto e setembro de 2014, respectivamente. A Rússia iniciou sua própria operação militar em 2015 a pedido do presidente sírio Bashar Assad.

    Os militares russos deram início a várias tréguas nos combates terrestres. A última entrou em vigor no final de dezembro e, segundo se espera, resultará em negociações de paz entre o governo sírio e a chamada oposição moderada.

    Ao mesmo tempo, Konashenkov fez lembrar que a aviação dos EUA largou bombas nucleares sobre Hiroshima e Nagasaki em 1945. Além disso, em 1962-1971 Washington levou a cabo a Operação Ranch Hand em Laos e Vietnã com uso de substâncias químicas "de fato reduzindo a cinzas tudo o que se movia".

    "Gostaria de chamar atenção ao fato de que todas as grandes guerras das últimas décadas desencadeadas pelos EUA sob pretextos falsos, na Jugoslávia, Iraque, Afeganistão e Líbia, todas elas foram acompanhadas e resultaram na destruição da infraestrutura econômica dos países pela Força Aérea dos EUA. Não é coincidência que empresas próximas à CIA e ao Pentágono são sempre as primeiras a oferecer seus serviços na reconstrução das grandes instalações econômicas", apontou o porta-voz do Ministério da Defesa russo.

    Mais:

    Erdogan diz ter provas de que coalizão liderada pelos EUA apoia terroristas na Síria
    EUA adotam sanções contra cidadãos e entidades de Rússia, China e Síria por apoio a Assad
    Tags:
    oposição moderada, coalizão internacional, guerras, ataques aéreos, cessar-fogo, Ministério da Defesa (Rússia), Pentágono, CIA, John Brennan, Igor Konashenkov, Bashar Assad, Síria, EUA, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik