00:53 26 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Caça russo Sukhoi Su-34

    Aviões russos realizaram 64 ataques contra terroristas impedindo seu avanço a Palmira

    © Sputnik/ Vladimir Astapkovich
    Oriente Médio e África
    URL curta
    426140625

    Durante a noite passada o exército sírio repeliu, com apoio da Força Aeroespacial da Rússia, todos os ataques dos extremistas contra Palmira, informa o Ministério da Defesa da Rússia.

    "Durante a noite passada, o exército sírio repeliu, com apoio da Força Aeroespacial da Rússia, todos os ataques dos extremistas contra Palmira. Os atacantes usaram ativamente carros-bomba com suicidas, veículos blindados e lançadores de foguetes", diz o comunicado do Ministério da Defesa da Rússia.

    Soldados do Exército Árabe Sírio e do destacamento Falcões do Deserto durante batalha pela reconquista de Palmira (arquivo)
    © Sputnik/ Mikhail Voskresenskiy
    Se destaca que foram realizados 64 ataques contra concentrações, posições e colunas de terroristas. Conforme os dados do ministério russo, foram eliminados 11 tanques e veículos de combate de infantaria, 31 carros equipados com metralhadoras do grande calibre e mais de 300 terroristas.

    Nesta semana, militantes do grupo extremista Daesh lançaram uma ofensiva na tentativa de conquistar novamente a cidade histórica, assumindo o controle de áreas a noroeste e sudeste de Palmira. O governo enviou novas tropas à região, intensificando os combates com os terroristas. De acordo com a agência de notícias Al Masdar, jatos da Força Aérea ajudaram nos confrontos.

    Na noite deste sábado (10) o exército sírio retomou o controle total sobre Palmira.

     

    Mais:

    Força Aeroespacial russa elimina 250 terroristas que prepararam ataque em Palmira
    Seis bombardeiros russos destroem posições do Daesh perto de Palmira
    Caça MiG-23 da Força Aérea síria cai na província de Homs
    Assembleia Geral da ONU adota resolução sobre trégua na Síria
    Tags:
    ataque aéreo, Exército Sírio, Força Aeroespacial da Rússia, Palmira, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik