23:26 23 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Soldados do exército líbio durante patrulha em Bengazi

    Regime de emergência entra em vigor na Líbia, exército toma o poder

    © AFP 2019 / ABDULLAH DOMA
    Oriente Médio e África
    URL curta
    22272
    Nos siga no

    O chefe do Conselho Presidencial junto ao Governo de Unidade Nacional da Líbia, Ali Katrani, anunciou, em declarações à Sputnik Árabe, a introdução do regime de emergência no país, a passagem do poder para as Forças Armadas, a nomeação de governadores militares em cada região e a introdução de tribunais marciais.

    Todos os órgãos de poder, à excepção do Conselho de Deputados, são suspensos. 

    O objetivo é recuperar a integridade da Líbia. Esta tarefa foi colocada ao exército, chefiado pelo marechal Khalifa Haftar, disse à Sputnik Árabe.

    Após o fim da unificação do país, o governo começará o processo de procura de consenso político.

    Ali Katrani afirmou que 90% de líbios apoiam o Exército Nacional Líbio, cuja legitimidade é reconhecida no estrangeiro e este é o segredo dos grandes êxitos na guerra contra o grupo terrorista Daesh (proibido na Rússia) e outras organizações terroristas.

    Após a estabilização da situação, o país retornará à via democrática de desenvolvimento, será iniciado o trabalho do Comitê para Desenvolvimento da Constituição, serão realizadas eleições parlamentares e presidenciais. Mas, no momento, o povo líbio precisa de uma mão forte para restaurar o controle no país, destacou Katrani.

    O militar líbio excluiu a possibilidade de golpe militar no país.

    "Os tempos de golpes de Estado já passaram em todo o mundo", disse.

    Caso o povo líbio apoie o marechal Khalifa Haftar e ele pretenda assumir o poder, ele tomará parte das eleições presidenciais no país, declarou Katrani.

    Mais:

    Diplomacia de vaivém: por que o general líbio visita Moscou amiúde?
    Coalizão dos EUA afirma ter alcançado progresso na Líbia
    Tags:
    diploma, restauração, exército, Daesh, Khalifa Haftar, Líbia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar