09:29 17 Outubro 2021
Ouvir Rádio
    Oriente Médio e África
    URL curta
    002
    Nos siga no

    Organização terroristas busca reduzir o descontentamento dos habitantes da cidade iraquiana, enquanto lida com a maior invasão terrestre do país desde 2003.

    O Daesh (conhecido como Estado Islâmico, organização terrorista proibida na Rússia e em vários outros países) prendeu dezenas de proprietários de lojas de Mossul acusados de aumentar os preços dos alimentos na cidade.

    A manobra visa diminuir o descontentamento popular contra o encarecimento dos produtos na cidade.

    As prisões aconteceram na manhã de domingo em Bursa, uma zona comercial na parte ocidental da cidade, disse uma testemunha à Reuters. Ainda de acordo com a mesma testemunha, cerca de 30 donos de loja na área foram presos e levados com os olhos vendados para destinos desconhecidos.

    O Daesh enfrenta a maior ofensiva terrestre no país desde a invasão que derrubou Saddam Hussein, em 2003. Pelo menos 100 mil soldados do governo iraquiano, forças de segurança curdas e principalmente milicianos xiitas estão participando do assalto a Mossul, com apoio aéreo e terrestre da coalizão militar internacional liderada pelos EUA.

    Mais:

    Unidades iraquianas libertam mais de 600 mil residentes de Mossul
    Moscou: coalizão liderada pelos EUA negligencia civis em Mossul
    Tropas irregulares iraquianas cercam Mossul
    ONU: 8 mil civis deixaram Mossul nos últimos quatro dias
    Vala com mais de 200 corpos é descoberta perto de Mossul
    Tags:
    Rússia, Iraque, Mossul, Estados Unidos, Bursa, Saddam Hussein, Estado Islâmico, Reuters, Daesh
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar