15:23 16 Julho 2018
Ouvir Rádio
    As consequências de ataques aéreos no Iêmen

    WikiLeaks: EUA muniram exército do Iêmen antes mesmo da guerra contra houthis

    © Sputnik / Stringer
    Oriente Médio e África
    URL curta
    592

    O site WikiLeaks publicou mais de 500 documentos da embaixada dos EUA no Iêmen. Neles, foram encontradas provas de que Washington muniu, treinou e financiou soldados antes mesmo da guerra contra os houthis iniciar.

    "Em particular, os documentos mostram a prática de fornecimento de diferentes armamentos — aviões, navios, veículos… e recebimento pelo Iêmen dos sistemas biométricos norte-americanos", de acordo com o site WikiLeaks.

    ​Os documentos são de 2009 até o início do conflito, ou seja, março de 2015. Como relata o WikiLeaks, a guerra no Iêmen começou quando a secretária de Estado era Hillary Clinton e continuou quando ela foi substituída por John Kerry. A embaixada dos EUA no Iêmen fechou as portas em fevereiro de 2015 — um mês antes do início da guerra, fato lembrado pelo WikiLeaks.

    Desde 2014, Iêmen é palco de um conflito armado. Em 2015, as forças da coalizão árabe entraram no conflito como oposição. Um dos grupos inimigos é formado por uma parte do exército — os rebeldes-houthis do movimento xiita Ansar Allah, comporto por integrantes leais ao ex-presidente, Ali Abdullah Saleh. Os outros envolvidos fazem parte das tropas do governo e milícias que são leais ao atual presidente, Abd Rabbo Mansour Hadi, e recebem apoio das forças dos EUA e da coalizão Árabe, liderada pela Arábia Saudita. Os bombardeios da coalizão são responsáveis pela morte constante de muitos civis.

    Mais:

    EUA e Arábia Saudita têm reunião 'frutífera' sobre guerra contra o Daesh
    Arábia Saudita financia e encomenda sistema de mísseis ucraniano: para quê?
    Opinião: É vergonhoso para Espanha ter um aliado como Arábia Saudita
    Tags:
    militantes, documentos, Ansar Allah, WikiLeaks, Abd Rabbo Mansour Hadi, Ali Abdallah Saleh, Hillary Clinton, Iêmen, Arábia Saudita, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik