00:18 18 Julho 2018
Ouvir Rádio
    Representante do Partido Democrata do Curdistão em Mossul, Said Mamuzini

    Durante operação em Mossul extremistas do Daesh poderão fugir para Síria

    © Sputnik / Hikmet Durgun
    Oriente Médio e África
    URL curta
    0 16

    Representante do partido principal curdo no Iraque falou com a Sputnik e fez várias declarações sobre a operação de liberação de Mossul marcada para um futuro próximo.

    "O exército governamental iraquiano e forças peshmerga realizam seus últimos preparativos para atacar Mossul, concentrando armas pesadas na sua fronteira", declarou o representante curdo, destacando que os EUA, a Alemanha e a França, também ajudam as unidades curdas e participarão da operação.

    Segundo Said Mamuzini, entrevistado pela Sputnik Turquia, a operação de Mossul será realizada em três partes: em primeiro lugar, dos jihadistas serão liberadas as aldeias, depois as tropas peshmerga entrarão no território de Mossul e, finalmente, a última parte pressupõe a liberação total de Mossul.

    No decurso da operação, aos extremistas do Daesh (organização terrorista, proibida na Rússia) será deixado um caminho para que eles possam se retirar para a Síria. Eles não serão capturados se seguirem esse caminho.

    Neste momento em Mossul se encontram cerca de 7 mil terroristas do Daesh, mas tendo menos forças do que antes, se espera que a liberação não demore muito tempo.

    Said Mamuzini falou da possibilidade de haver um grande fluxo de refugiados e sublinhou que o Curdistão Iraquiano e as autoridade do Iraque tomarão medidas necessárias: no Curdistão Iraquiano estão sendo construídos cinco campos.

    Mais:

    Fonte: EUA prometeram ao Iraque resolver problema da presença dos militares turcos
    Rússia não vai permitir repetição do Iraque e da Líbia na Síria
    'Turquia permanecerá no norte do Iraque até não ser mais necessário'
    Tags:
    libertação, Daesh, Peshmerga, Mossul, Iraque
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik