18:27 21 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Membro de milícias curdas na cidade síria Ain Issi, 50 km ao norte de Raqqa

    Turquia impõe condição para se juntar aos EUA no combate em Raqqa

    © AFP 2017/ DELIL SOULEIMAN
    Oriente Médio e África
    URL curta
    9250145

    O presidente Recep Tayyip Erdogan disse que a Turquia poderia participar da operação de liberação norte-americana na Síria para retomar o reduto de Raqqa ao grupo Daesh apenas se os combatentes curdos não estiverem envolvidos, informou um jornal turco neste domingo (25).

    Presidente turco Reccep Tayyip Erdogan
    © REUTERS/ Murat Cetinmuhurdar/Presidential Palace
    O apoio dos EUA às forças curdas na Síria é um ponto sensível para Ancara, que considera esses combatentes como "terroristas" ligados aos rebeldes curdos que travam uma insurgência sangrenta no sudeste da Turquia.

    Washington, no entanto, vê o Partido da União Democrática curdo (PYD) e sua milícia Unidades de Proteção Popular (YPG) como a melhor força que combate os jihadistas no terreno na Síria.

    Erdogan disse a jornalistas no avião de regresso da Assembleia Geral da ONU em Nova York, citado pelo diário Hurriyet, que se os EUA realizassem sua operação em Raqqa juntamente com as forças curdas da Síria, a Turquia "não terá qualquer participação" na ofensiva.

    Antes, Barack Obama propôs à Turquia contribuir para a liberação de Raqqa. Erdogan disse que estava pronto a discutir o plano. Segundo ele, isso dará à Turquia a oportunidade de mostrar "que ela existe na região".

    Mais:

    EUA abrem centro de coordenação na cidade síria de Tel Abyad
    Incursão turca na Síria gera novos desafios
    Tags:
    curdos, Unidades de Proteção Popular (YPG), Partido da União Democrática (PYD), Barack Obama, Recep Tayyip Erdogan, EUA, Síria, Turquia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik