18:58 24 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Tropas turcas na fronteira síria, Karkamis 27 de agosto de 2016

    Militares turcos lançam cerca de 80 ataques contra posições curdas na Síria

    © AP Photo / Halit Onur Sandal
    Oriente Médio e África
    URL curta
    Operação militar turca na Síria (51)
    2148

    Aviões da Força Aérea da Turquia bombardearam um grupo de combatentes das forças de autodefesa dos curdos sírios, informou o canal NTV citando fontes dos órgãos de segurança turcos.

    "Foram bombardeadas as Unidades de Proteção Popular (YPG, na sigla em curdo) curdas no norte da Síria".

    De acordo com a informação do canal, o bombardeio foi uma resposta ao lançamento de foguetes contra carros de combate turcos a partir do território dos curdos, perto da cidade de Jarablus. Ele acrescentou que o Exército turco lançou cerca de 80 ataques de artilharia, com tanques e aéreos.

    Mais tarde, o canal CNN Turk informou que os militares turcos eliminaram 25 rebeldes no norte da Síria e entre eles estavam alguns membros do Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), organização considerada ilegal na Turquia.

    "Após os ataques aéreos que ocorreram contra posições de grupos terroristas no norte da Síria, foram abatidos 25 membros do PKK e do PYD ", informou o canal na sua conta no Twitter.

    Na noite de 23 para 24 de agosto de 2016, o exército da Turquia iniciou, com o apoio da coalizão internacional liderada pelos EUA, uma operação terrestre para liberar a cidade síria de Jarablus, localizada perto da fronteira turca.

    Tema:
    Operação militar turca na Síria (51)

    Mais:

    Ataque de caminhão-bomba em Cizre matou 118 policiais turcos, segundo curdos do PKK
    Rússia: curdos devem ser parte do processo político na Síria
    Forças de autodefesa dos curdos sírios ocuparam sete aldeias na área de Jarablus
    'Operação em Jarablus é contra curdos, não contra Daesh'
    Tags:
    ofensiva, ataques, PKK, YPG, Jarablus, Turquia, Síria
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar