00:43 22 Outubro 2020
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    COVID-19 no Brasil no fim de setembro (25)
    193
    Nos siga no

    Uma pesquisa da USP apontou que 66,1% da população de Manaus já teve contato com a COVID-19, o que pode indicar a chamada "imunidade de rebanho". Sobre o assunto, a Sputnik Brasil ouviu um epidemiologista da UERJ, que explica por que essa não pode ser uma estratégia para sair da pandemia.

    Conforme publicado pela Agência Brasil, uma pesquisa da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (USP) aponta que a capital do Amazonas passou pelo pico local da pandemia em maio, com 45,9% da população infectada pela COVID-19. A taxa teria avançado no mês seguinte para 64,8% e se estabilizou em 66,1% nos dois meses posteriores.

    Segundo os pesquisadores, essa pode ser uma evidência de que a cidade alcançou a chamada imunidade de rebanho, o que teria limitado a circulação do vírus. Esse quadro teria sido reforçado por mudanças no comportamento da população e intervenções farmacêuticas. A pesquisa alerta, no entanto, que os dados colhidos podem não ser representativos e que não há consenso sobre qual seria a proporção de infectados para alcançar a imunidade de rebanho em relação à COVID-19.

    Mulher usa máscara com imagem de santa, na comunidade de Educandos, em Manaus (AM), 19 de maio de 2020
    © REUTERS . Bruno Kelly
    Mulher usa máscara com imagem de santa, na comunidade de Educandos, em Manaus (AM), 19 de maio de 2020

    Guilherme Werneck, médico epidemiologista e professor do Instituto de Medicina Social da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), explica que a imunidade de rebanho, ou imunidade de grupo, é uma proporção de contaminados em determinada população que limita a transmissão da doença. Segundo o especialista, no caso da COVID-19 essa proporção gira em torno de 50% a 60% da população, mas alerta que isso não acaba totalmente com a transmissão.

    "Se nós tivermos uma população com imunidade de grupo acima de 50%, aproximadamente, isso teria um impacto importante na transmissão. Não iria acabar com a transmissão, mas iria contribuir para uma redução, estabilização ou regressão dessa epidemia paulatinamente, porque com tantas pessoas imunes fica mais difícil você ter a transmissão entre pessoas", afirma Werneck em entrevista à Sputnik Brasil.

    Werneck acredita que o estudo da USP, apesar de bem feito, deve ter seus resultados olhados com cuidado, uma vez que os dados foram colhidos a partir de amostras de um banco de doadores de sangue de Manaus. Mesmo assim, o médico avalia que os resultados servem para refletir sobre o custo de vidas para atingir a imunidade de rebanho.

    "Para Manaus chegar a essa imunidade – e digamos que ela seja representativa da população, da ordem de 50% ou mais – foi preciso o colapso do sistema de saúde, pessoas morrendo em casa não sendo atendidas adequadamente no sistema de saúde", aponta.

    O epidemiologista afirma que a suposta imunidade coletiva em Manaus teria sido atingida à custa de muitas vidas de manauaras, e lembra que por isso mesmo essa não pode ser uma estratégia de saúde pública.

    "É importantíssimo lembrar que como estratégia de saúde pública, imunidade coletiva, o patamar da imunidade coletiva em 50%-60% deve ser atingido com proteção e salvando vidas, ou seja, só por meio da vacinação", ressalta.
    Sepulturas de pessoas que morreram nos últimos 30 dias enchem uma nova seção do cemitério de Nossa Senhora Aparecida em meio à pandemia do coronavírus, em Manaus, Brasil, 11 de maio de 2020
    © AP Photo / Felipe Dana
    Sepulturas de pessoas que morreram nos últimos 30 dias enchem uma nova seção do cemitério de Nossa Senhora Aparecida em meio à pandemia do coronavírus, em Manaus, Brasil, 11 de maio de 2020

    Werneck alerta que o descontrole da epidemia pode levar a imunidade de grupo a outras capitais ao custo de milhares de vidas. O médico explica que enquanto uma vacina não está disponível, é essencial difundir práticas de prevenção, como o distanciamento social e o uso de máscaras.

    "Nós precisamos reforçar essas medidas não farmacológicas enquanto não temos uma solução melhor para esse problema. O que importa é que, de novo, gostaria de salientar, essas medidas são medidas difíceis, que causam uma carga muito grande na população, mas elas são as medidas que permitem que nós salvemos vidas das pessoas da nossa população, que é o maior bem que um país pode ter", conclui.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Tema:
    COVID-19 no Brasil no fim de setembro (25)

    Mais:

    'Temo um genocídio', diz prefeito de Manaus com avanço da COVID-19 sobre indígenas
    COVID-19: corrida de São Silvestre é adiada pela 1ª vez desde 1925
    Brasil registra 869 mortes por COVID-19 em 24 horas e total de óbitos sobe para 138.977
    Tags:
    Brasil, UERJ, USP, Manaus, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar