12:58 24 Novembro 2020
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    Situação com coronavírus no Brasil no fim de junho (51)
    0 32
    Nos siga no

    O Banco Central decidiu na semana passada que o saldo de crédito para financiamento para pequenas e médias empresas vai poder ser deduzido da exigibilidade do recolhimento compulsório sobre recursos de depósitos de poupança.

    O depósito compulsório é um mecanismo que determina a obrigação dos bancos de reservar no Banco Central uma parte dos valores que eles captam com seus clientes.

    A medida permite que os bancos descontem do compulsório os valores que foram emprestados para empresas com faturamento anual de até R$ 50 milhões. Segundo uma nota do governo federal, a iniciativa tem potencial de liberação de recursos para operações de capital de giro e para aplicações em Depósitos a Prazo com Garantia Especial (DPGE) de até R$ 55,8 bilhões.

    O economista Johnny Mendes, professor da Fundação Armando Alvares Penteado (FAAP), disse, no entanto, que o valor provavelmente é menor do que o necessário.

    "Essa oferta de crédito não é suficiente para o tamanho da demanda por crédito [por parte dessas empresas]", afirmou à Sputnik Brasil.

    Outro problema destacado por Mendes é de que muitas empresas não estão conseguindo ter capital de giro suficiente para conseguir se beneficiar da medida.

    "Outro ponto é que como é que essas empresas podem entregar garantias que possam permitir que elas tenham acesso a essas linhas de crédito se as suas receitas estão zeradas ou muito comprometidas?", questionou.

    O economista acredita que novas medidas de auxílio às pequenas e médias empresas serão necessárias no curto prazo.

    "A ideia é que, apesar de estar vindo em um momento oportuno, é bem provável que nós iremos ver novas políticas que vão tentar se aproximar mais do tamanho dessa demanda que vai sendo sentida pelo governo", afirmou.

    Segundo Mendes, o ideal é que o governo em um futuro consiga se antecipar à demanda.

    "O problema é se isso vai chegar a tempo, porque até o momento o que eu acho mais incoerente é que as ações de políticas monetárias para ajuda das pequenas e médias empresas são sempre um reflexo do excesso de demanda, enquanto elas deveriam chegar à ponta antes que essa demanda aumentasse", completou.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Tema:
    Situação com coronavírus no Brasil no fim de junho (51)

    Mais:

    Guedes: Brasil será 'novo país' por volta de 'setembro, outubro, novembro'
    Abandonando o barco: pandemia pode provocar saída de Paulo Guedes do governo Bolsonaro?
    Previsões do FMI sobre PIB brasileiro são mais realistas do que as de Guedes, diz economista
    Governo prorroga auxílio emergencial por mais 2 meses, mas divide pagamento em 4 parcelas
    Tags:
    COVID-19, economia, crédito, empresas, auxílio, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar