21:03 03 Dezembro 2020
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    Por
    2102
    Nos siga no

    Conflito militar na Líbia se agrava em meio à propagação da COVID-19. Se nem uma pandemia e nem a queda brutal nos preços do petróleo silenciaram as armas, o que poderá conter a violência na Líbia?

    Com a propagação acelerada do coronavírus, o secretário-geral da ONU, António Guterres, pediu um cessar-fogo mundial para combater a COVID-19. "É tempo de acabar com os conflitos armados" e focar-se na "verdadeira batalha".

    No caso da Líbia, no entanto, a situação é oposta: o conflito se agrava e a guerra parece entrar em um novo estágio.

    A escalada da violência mais intensa desde a intervenção da OTAN, em 2011, que resultou na queda do ex-líder Muammar Kadhafi, foi debatida por especialistas do Conselho Russo de Relações Internacionais (RIAC, na sigla em inglês), em conferência virtual na quarta-feira (15).

    "Nas últimas 48 horas vemos uma piora significativa na situação: atividade bélica intensa e alta temperatura política", afirmou Andrei Baklanov, diretor do departamento de Oriente Médio e Norte da África da Escola Superior de Economia de Moscou.

    A atividade militar segue apesar do aumento no número de casos de COVID-19 na Líbia. Nesta quinta-feira (16), autoridades sanitárias da cidade de Benghazi confirmaram mais 13 casos de COVID-19.

    Vice-secretário do Interior do Governo do Acordo Nacional (GNA, na sigla em inglês), Khaled Mazen, em conferência de imprensa sobre a COVID-19, em Trípoli, 15 de abril de 2020
    © AFP 2020 / Mahmud Turkia
    Vice-secretário do Interior do Governo do Acordo Nacional (GNA, na sigla em inglês), Khaled Mazen, em conferência de imprensa sobre a COVID-19, em Trípoli, 15 de abril de 2020

    Sem um governo unificado, a Líbia pode enfrentar sérias dificuldades para combater o novo coronavírus.

    Líbia dividida

    Existem dois centros de poder paralelos na Líbia: o primeiro, liderado por Fayez al-Sarraj, é reconhecido pela ONU e tem influência na cidade de Trípoli e Misrata. O segundo, baseado na cidade de Tobruk, e tem como braço militar o chamado Exército Nacional Líbio, é liderado pelo marechal Khalifa Haftar.

    Recentemente, Haftar intensificou sua operação para conquistar Trípoli, em curso desde abril de 2019. Por outro lado, na terça-feira (14), as forças associadas a al-Sarraj tomaram o controle de três cidades-chave na costa mediterrânea da Líbia.

    "O conflito chegou a um novo estágio, apesar da pandemia", disse Vasily Kuznetsov, diretor do centro de pesquisa árabe e islâmica da Academia de Ciências da Rússia. "Como a Líbia saiu da lista de prioridades de muitos atores internacionais, algumas forças internas estão querendo rever o status quo e se reposicionar."

    Forças externas

    A lista de países atuando na Líbia é extensa. Mas, com a chegada da pandemia de COVID-19, muitos países influentes no teatro líbio, como a Itália e a França, tiveram que desviar a atenção para problemas sanitários internos.

    "A França tem muita influência na parte sul do país", onde estão concentrados importantes recursos, como petróleo e água doce, explicou Andrei Chuprygin, professor da Faculdade de estudos sobre Oriente Médio da Escola Superior de Economia de Moscou.

    "A Itália apoia al-Sarraj, por ter interesse em projetos do setor da infraestrutura petrolífera de Trípoli", completou. "França e Itália concorrem pela liderança no Mediterrâneo, e a Líbia é a plataforma ideal para elas medirem suas forças."

    Chanceler alemã Angela Merkel, segunda à direita, aguarda chegada dos líderes em conferência sobre a Líbia, na Alemanha
    © AP Photo / Michael Sohn
    Chanceler alemã Angela Merkel, segunda à direita, aguarda chegada dos líderes em conferência sobre a Líbia, na Alemanha

    No entanto, o apoio da Turquia ao governo de Trípoli tem sido o mais decisivo. "A Turquia está mostrando como se deve atuar para influenciar de verdade a situação na Líbia", acrescentou Chuprygin.

    Mas a lista de atores externos não para por aí, pois "o papel dos países do golfo [Pérsico] é enorme, principalmente o apoio dos Emirados Árabes Unidos a Haftar", lembrou Kuznetsov.

    O engajamento dos EUA, que foi fundamental para a queda de Kadhafi em 2011 "está em nível médio: não estão prontos para agir, mas nem para ignorar a questão líbia. Querem estar prontos para reagir rápido caso seja necessário", apostou o especialista do RIAC, Aleksei Khlebnikov.

    Homens usam máscaras em checkpoint instalado na entrada de Trípoli, na Líbia, em meio à pandemia de COVID-19, 10 de abril de 2020
    © AFP 2020 / Mahmud Turkia
    Homens usam máscaras em checkpoint instalado na entrada de Trípoli, na Líbia, em meio à pandemia de COVID-19, 10 de abril de 2020

    Para ele, a União Europeia também "diminuiu seu engajamento nos últimos anos", mas "a questão dos refugiados, terrorismo, energia e o tráfico de armas e pessoas afetam diretamente a Europa".

    Por isso, em 31 de março de 2020, a União Europeia lançou operação militar no Mediterrâneo para "garantir a implementação do embargo de armas imposto pela ONU à Líbia", informou o Conselho Europeu.

    "A operação é uma das principais respostas europeias à escalada, mas os resultados ainda são incertos", afirmou Khlebnikov.

    Para o professor de política internacional da Escola Superior de Economia de Moscou, Grigory Lukyanov, a operação "terá efeito limitado", porque a Líbia tem "fronteiras terrestres muito difíceis de serem controladas com o Chade e o Sudão". 

    Médicos observam carro alvejado de balas na entrada do Hospital Geral Khadra, que recebe pacientes com COVID-19 na cidade de Trípoli, na Líbia, 8 de abril de 2020
    © AFP 2020 / Mahmud Turkia
    Médicos observam carro alvejado de balas na entrada do Hospital Geral Khadra, que recebe pacientes com COVID-19 na cidade de Trípoli, na Líbia, 8 de abril de 2020

    De acordo com Kuznetsov, a "Rússia mantém contato com ambas as partes no conflito líbio" e "deve continuar assim, mantendo uma rede extensa de contato dentro da Líbia". Essa posição, segundo ele, facilita o papel russo como mediador e a influência de Moscou na Líbia no pós-crise.

    Atores Internos

    No entanto, "com a queda nos preços do petróleo e a pandemia, os atores externos não devem manter o nível de engajamento na Líbia", ponderou Kuznetsov. "O conflito vai se voltar cada vez mais para a dinâmica interna."

    A pandemia será uma oportunidade para que grupos locais preencham o vácuo político deixado por Kadhafi.

    Funcionários de empresa de desinfecção trabalham em hospital na cidade de Benghazi, na Líbia, 14 de abril de 2020
    © REUTERS / Esam Omran al-Fetori
    Funcionários de empresa de desinfecção trabalham em hospital na cidade de Benghazi, na Líbia, 14 de abril de 2020

    "A pandemia pode fortalecer a fragmentação. Se milícias e outros grupos armados conseguirem fornecer serviços essenciais para a população, vão se fortalecer", disse Kuznetsov.

    Neste contexto, a possibilidade de a Líbia sair do conflito como um país unificado parece ficar cada vez mais distante.

    A Líbia precisa de um novo Kadhafi?

    Diante da complexidade do conflito na Líbia, muitos analistas acabam caindo na tentação de buscar "um novo Kadhafi" para unificar o país.

    "Existe muita nostalgia e pessoas defendendo que familiares de Kadhafi ascendam ao poder, como a filha dele, Aisha", comentou o especialista em Oriente Médio da Escola Superior de Economia, Valery Matrosov.

    Não está claro se algum dos líderes de destaque no país, al-Sarraj e Haftar, poderiam angariar legitimidade política em escala nacional.

    Homens leais ao Governo do Acordo Nacional (GNA, na sigla em inglês) comemoram a conquista da cidade de Sabratha, na Líbia, 13 de abril de 2020
    © AFP 2020 / Mahmud Turkia
    Homens leais ao Governo do Acordo Nacional (GNA, na sigla em inglês) comemoram a conquista da cidade de Sabratha, na Líbia, 13 de abril de 2020

    Al-Sarraj seria "um político engenhoso, que entende as situações de maneira objetiva", ponderou Lukyanov. Mas seu apoio se restringe aos grupos urbanos, "enquanto Haftar consegue ser palatável para as lideranças tribais do leste". No entanto, as repetidas derrotas militares de Haftar estão minando a sua imagem.

    "Alguns objetivos militares de Haftar ainda não foram atingidos, como conquistar Trípoli. Cada derrota debilita ainda mais a imagem do marechal", lembrou Matrosov.

    Nesse contexto, os especialistas estão bastante pessimistas em relação ao início de uma negociação política que resulte, se não no fim do conflito, pelo menos em um cessar-fogo humanitário. Em meio à pandemia de COVID-19, por ora, os líbios devem enfrentar uma guerra em dois frontes.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Grande movimentação de supostas forças de Haftar é vista em VÍDEOS e FOTOS na Líbia
    Em meio a conflito, Líbia registra 1º caso da COVID-19
    Forças de Haftar capturam blindado turco na Líbia pela 1ª vez, diz mídia (FOTOS)
    Tags:
    política internacional, conflito, Emirados Árabes Unidos, Rússia, Turquia, Itália, França, EUA, Fayez al-Sarraj, Khalifa Haftar, Trípoli, Líbia, COVID-19
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar