16:01 11 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    Países combatendo COVID-19 no meio de abril de 2020 (105)
    620
    Nos siga no

    O vizinho ao norte do México, os EUA, se tornou o país com a maior incidência de casos do coronavírus e o epicentro da pandemia.

    Dada a proximidade com o México, diversas comunidades fronteiriças com os EUA começaram a exigir mais proteção. Por exemplo, em 26 de março, alguns habitantes de Nogales, no estado mexicano de Sonora, impediram a entrada de norte-americanos.

    Segundo veículos de comunicação locais, esta ação foi motivada porque habitantes do estado norte-americano do Arizona entravam no México para comprar papel higiênico e outros produtos de higiene, assim como pela preocupação de que alguém pudesse entrar doente com COVID-19.

    Desde 21 de março, a fronteira de ambos os países se encontra fechada a viagens não essenciais. Contudo, "pelo intercâmbio e trânsito de pessoas", estas cidades podem representar "um risco importante" para a importação de casos ao México, alertou Mauricio Rodríguez Álvares, professor da Faculdade de Medicina e porta-voz da Comissão para a COVID-19 da Universidade Nacional Autônoma do Médico (UNAM), em entrevista à Sputnik Mundo.

    "A impressão geral é que estamos em um planeta interconectado. Temos contato muito frequente com outros países, e, enquanto existir países com casos, existirá sempre a possibilidade de que, a partir destes países, possamos receber pessoas que venham com a infecção", comentou Eric Ochoa Hein, infectologista do Instituto Nacional de Ciências Médicas e Nutrição Salvador Zubirán.

    De acordo com o diretor da Clínica de Atenção Preventiva ao Viajante, Jorge Baruch Díaz Ramírez, ainda que teoricamente seja possível esperar que a proximidade dos Estados Unidos afete a incidência de casos no México, o comportamento do vírus SARS-CoV-2 em território norte-americano tem sido mais veloz em comparação com o México porque "foi um dos primeiros 10 países a confirmar casos a nível mundial, por sua conexão com a China. Por este motivo estamos vivendo uma disparidade em toda a região norte-americana sobre como está se comportando a epidemia nos Estados Unidos, Canadá e México, porque cada país, entrou na epidemia separadamente".

    A doença, porém, terminará se estendendo cedo ou tarde ao interior do México pela tendência de contágios observada em outros países, concluem especialistas. Por este motivo, Díaz Ramírez avaliou que as autoridades mexicanas devem ter atenção máxima aos mexicanos migrantes que retornam dos EUA.

    "Os mexicanos que são repatriados têm uma barreira para o acesso a serviços de saúde. Normalmente, têm problemas de identidade e com documentos que possibilitam acesso aos serviços de saúde. A universalização dos serviços de saúde, tanto no México como nos EUA, representará uma barreira importante e poderá chegar a ser um fenômeno que impacte diretamente em famílias migrantes irregulares", salientou.

    Neste sentido, Hein aponta que se as pessoas vindas do exterior não forem vigiadas, será possível registrar reintroduções do vírus, o que poderia ampliar os casos do coronavírus em certas regiões do México.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Tema:
    Países combatendo COVID-19 no meio de abril de 2020 (105)

    Mais:

    Secretário de Estado: EUA esperam que China compartilhe informações sobre surto de coronavírus
    Ao invés de pangolim, cão de rua poderia ter sido hospedeiro intermediário do coronavírus
    'Bater e correr': estudo revela ponto fraco do coronavírus
    Tags:
    fronteira, pandemia, EUA, México, COVID-19, novo coronavírus
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar