23:23 10 Julho 2020
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    1120
    Nos siga no

    A maioria dos países da América Latina vive hoje a etapa inicial de propagação do coronavírus, que a Itália viveu no fim de fevereiro. As medidas adotadas agora serão fundamentais para salvar vidas.

    A América Latina conta com uma grande desvantagem: economias enfraquecidas que não têm o poder de atuar rapidamente para conter a disseminação do coronavírus. Cada decisão que leve à interrupção da atividade econômica repercutirá negativamente por muitos anos, estima analista da Sputnik Mundo César Salvucci.

    Além do mais, os sistemas sanitários poderão colapsar rapidamente à medida que se multiplicarem as pessoas contaminadas que requerem hospitalização.

    No entanto, a região conta com uma vantagem que pode ser chave para a sua salvação: está do outro lado do mundo em relação à região onde o vírus surgiu há três meses. Os governos latino-americanos têm a possibilidade de analisar as medidas adotadas nos países mais afetados na Ásia e Europa, precisamente na Itália, China e Coreia do Sul.

    A Itália é o país mais próximo desta parte do globo cultural e geograficamente. Há pouco tempo, no final de fevereiro deste ano, os italianos continuavam com suas rotinas, cansados de dias de paranoia midiática e especulações dos governos após os primeiros falecimentos pelo coronavírus.

    Um Estado presente salva vidas

    Na América Latina, o país que melhor aplicar o isolamento social e mais fundos injetar na saúde pública será aquele que melhor estará preparado para esta pandemia. A região tem a oportunidade de mostrar ao mundo a importância de um Estado eficiente.

    A Argentina tomou medidas drásticas ante a multiplicação de casos, como a suspensão das aulas e o fechamento das fronteiras, enquanto sua companhia aérea Aerolineas Argentinas continua a repatriação de seus cidadãos que ficaram retidos na Europa.

    Agente de saúde mede temperatura de motociclistas, em Buenos Aires, Argentina, 19 de março de 2020
    © REUTERS / Agustin Maracarian
    Agente de saúde mede temperatura de motociclistas, em Buenos Aires, Argentina, 19 de março de 2020

    Ao contrário, como se tratasse de um clássico do futebol, o Brasil menosprezou o impacto do coronavírus. Mais de uma dezena de funcionários do presidente da República contraiu a COVID-19. Além disso, em um primeiro momento, o governo brasileiro delegou várias funções a cada estado da federação, algo que provocou o caos na Itália.

    As duas maneiras de encarar a crise já mostram estatísticas: o Brasil atualmente é o país da região com o maior número de pacientes contagiados.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Argentina fecha as fronteiras para conter pandemia de COVID-19
    Coronavírus: pela 1ª vez em 43 anos, Mães da Praça de Maio não vão se reunir
    Brasil vai restringir entrada de estrangeiros de voos internacionais a partir do dia 23
    Tags:
    América Latina, Itália, novo coronavírus, Argentina, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar