18:18 09 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Barras de ouro empilhadas em cofre na Casa da Moeda dos Estados Unidos, Nova York, em 22 de julho de 2014 (imagem de arquivo)

    Cotação do ouro encara provável panorama de desvalorização, segundo analistas

    © AP Photo / Mike Groll
    Análise
    URL curta
    362
    Nos siga no

    Segundo mídia especializada no mercado financeiro, o preço "instável" do ouro está "sob pressão" depois de uma desvalorização inesperada.

    Philip Klinkmuller, especialista no mercado de ouro, explica o que os recentes acontecimentos podem representar para o metal precioso. Em entrevista, o especialista falou sobre a "fraqueza estrutural" do mercado e deu sugestões aos investidores à Sputnik Alemanha. 

    Em meados de novembro, o preço do ouro caiu inesperadamente. Embora a cotação tenha aparentemente se estabilizado, novos relatórios econômicos sugerem futuras desvalorizações. Na última quarta-feira (27), a cotação se situou em 1.458 dólares (6.187 reais), enquanto no fim de agosto o valor era superior a 1.550 dólares (6.365 reais).

    O analista Philip Klinkmuller, que é economista na companhia de investimentos Hopf & Klinkmuller Capital Management, baseada em Stuttgart, expressou a sua visão sobre o panorama atual:

    "Qualquer recuperação do preço é relativamente visível no atual panorama. Nas últimas semanas, tivemos o valor mínimo de 1.446 dólares [6.136 reais] por onça. Agora nem mesmo alcançamos 30 dólares [127 reais] acima desse valor", afirma o analista, enfatizando que uma recuperação real no ouro se manifestaria de outra forma.

    Klinkmuller comenta que existem preparativos para dois cenários: ou a cotação do metal continuará a baixar até chegar a 1.470 dólares (6.238 reais) ou se desenvolverá na forma de recuperação temporária. Tal desenvolvimento poderia empurrar o preço até 1.500-1.512 dólares (entre 6.365 e 6,416 reais) por onça.

    A tendência de valorização do metal já acabou?

    Outros fatores negativos podem levar a uma desvalorização do ouro nas próximas semanas e meses: "Julgando pelos gráficos de movimento e sinais dos compradores, estimamos que o mercado enfrentará uma venda massiva", alerta Klinkmuller.

    Trader no salão da bolsa de valores de Wall Street observa variações nos preços das ações.
    © AP Photo / Mark Lennihan
    Trader no salão da bolsa de valores de Wall Street observa variações nos preços das ações
    "O mercado de ouro está passando por uma turbulência violenta", afirma Klinkmuller.

    Por outro lado, o especialista Dmitry Spek revelou à Sputnik alguns dias atrás que o mercado de outro ainda tem "perspectivas brilhantes". No curto, médio e longo termo, o preço do metal precioso aumentará, acredita:

    "Estamos distante de um mercado do ouro em baixa", esclareceu.

    No entanto, diversas questões continuam em aberto: saber como o panorama do ouro continuará a se desenvolver e se realmente é possível virmos a ter outra tendência de valorização, agrega Klinkmuller.

    "Não excluímos que a cotação suba novamente para um valor superior a 1.566 dólares [6,645 reais] por onça. Porém, estamos atualmente excluindo a possibilidade de que o preço do ouro ultrapasse os 1.920 dólares [8.147 reais]. Somente esta tendência de valorização seria realmente sustentável", conclui o especialista.

    Ainda de acordo com o analista de Stuttgart, o mercado em breve enfrentará uma violenta correção que pode vir a desvalorizar o ouro ainda mais.

    "Vemos isso nos gráficos de um ponto de vista estrutural. A atual estrutura construída pelo mercado não dá esperanças de que estejamos lidando com uma valorização sustentável".

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Febre do paládio: ouro do século XXI abre novos horizontes para Ártico russo
    China aumenta suas reservas de ouro 10 meses seguidos
    Venezuela vende ouro no valor de US$ 40 milhões apesar dos esforços dos EUA de evitá-lo
    Tags:
    mercado financeiro, cotação, ouro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar