15:22 22 Novembro 2019
Ouvir Rádio
    Evo Morales, presidente da Bolívia, em Moscou

    Próximo presidente da Bolívia enfrentará grande desafio para negociar com Bolsonaro, diz analista

    © Sputnik / Sergei Guneev
    Análise
    URL curta
    18221
    Nos siga no

    Os bolivianos irão às urnas neste próximo domingo (20) para as eleições mais disputadas do país das últimas décadas, segundo pesquisas.

    Alguns institutos apontam que o atual presidente Evo Morales, que tenta um quarto mandato, será reeleito em primeiro turno. Mas outros dizem que ele terá que disputar um segundo com o opositor de centro Carlos Mesa, que governou a Bolívia em 2003-2005.

    Morales venceu com facilidade as últimas três eleições. Pela primeira vez, corre o risco de ser tirado do poder nas urnas.

    Uma consulta da empresa Ipsos deu a Morales 40% das intenções de voto, 18 pontos a mais que Mesa (22%).

    Em entrevista à Sputnik Brasil, Denilde Holzhacker, professora de Relações Internacionais da Escola Superior de Propaganda e Marketing de São Paulo (ESPM-SP), disse que, caso vença as eleições, Evo Morales será o que enfrentará mais dificuldades em negociar com o presidente brasileiro, Jair Bolsonaro.

    "Com certeza se for o Evo Morales há um dificuldade bastante grande porque são dois presidentes com visões bem diferentes em pólos políticos antagônicos. Isso também vai contribuir para o acirramento das relações entre os dois países", disse.

    Denilde Holzhacker disse que a eleição será fundamental para a relação entre Brasil e Bolívia, especialmente na negociação dos contratos de importação do gás natural da Bolívia, por meio do Gasoduto Brasil-Bolívia.

    O acordo atual vence em dezembro deste ano e caberá ao próximo presidente boliviano negociar com Bolsonaro.

    "A negociação com o Brasil não será uma negociação fácil e provavelmente o governo brasileiro vai tentar usar uma negociação para que tenha um preço menor do que se paga hoje inclusive. Esse vai ser um ponto de tensão, independente de quem for eleito", avalia Denilde.

    O problema, segundo Denilde Holzhacker, é o fato do Bolsonaro dar muita importância a questão ideológica na política externa.

    "No governo Bolsonaro a questão ideológica tem uma força e ela gera antagonismos em termos de política externa", completou Denilde.

    Na Bolívia, o presidente se reelege no primeiro turno se conseguir 50% mais um dos votos ou se, tendo mais de 40%, obtiver uma vantagem de 10 pontos sobre o segundo colocado.

    Além do novo presidente e vice para o período 2020-2025, nas eleições serão escolhidos os 166 membros do Congresso bicameral.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    O que representa para a Bolívia e para o Brasil o impasse na renovação do acordo do gás?
    Brasil e Bolívia começam a negociar tratado para integração elétrica
    Brasil deixa Bolívia no vácuo quanto à continuação do projeto da Ferrovia Transoceânica
    Tags:
    Brasil, gasoduto, Bolívia, eleições, Jair Bolsonaro, Evo Morales
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar