11:04 13 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Donald Trump e Jair Bolsonaro durante a conferência de imprensa em Washington

    Bolsonaro se alia mais com Trump do que com os EUA e isso não é bom sinal, diz especialista

    © AP Photo / Evan Vucci
    Análise
    URL curta
    152520
    Nos siga no

    Preocupados com os rumos do atual governo brasileiro, congressistas dos EUA estão cobrando das autoridades norte-americanas mais cautela e vigilância nas relações com Brasília.

    Deputados do Partido Democrata dos Estados Unidos emitiram na terça-feira (24) uma resolução em que criticam o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, e "demonstram preocupação com as ameaças aos direitos humanos, ao Estado de Direito, à democracia e ao meio ambiente no Brasil".

    A moção foi publicada na terça-feira às 9h20, dez minutos antes de Bolsonaro fazer seu discurso na Assembleia Geral da ONU. Ela foi protocolada pelos deputados Raúl Grijalva, Ro Khanna e Deb Haaland e co-assinada por outros 12 congressistas.

    Entre outras coisas, o documento pede que o governo dos Estados Unidos se oponha a empréstimos do Banco Mundial e do Banco Interamericano de Desenvolvimento a projetos que possam contribuir para mais desmatamentos no Brasil, condena os elogios de Bolsonaro à ditadura militar, denuncia o suposto racismo e ataques aos direitos humanos do líder brasileiro, critica a violência policial e questiona a falta de progresso na resolução do caso Marielle Franco.

    Em entrevista à Sputnik Brasil, Pedro Costa Júnior, especialista em Política Exterior dos EUA e autor do livro "O Poder Americano no Sistema Mundial Moderno: Colapso ou Mito do Colapso?", disse que, embora simbólica, a ação é preocupante para o Brasil.

    "Eles estão sinalizando que a nossa política externa não está agradando em diversas bandeiras, que vão desde direitos humanos até a questão do meio ambiente. Isso reflete diretamente na nossa parceria com um dos nossos principais parceiros políticos, econômicos e estratégicos no sistema internacional que são os Estados Unidos", disse.

    Pedro Costa Júnior entende que o erro está no fato de que a política do governo Bolsonaro optou por um alinhamento com Donald Trump, não necessariamente com os Estados Unidos.

    "As relações, ainda que passem pelo pessoal, sempre são relações de Estados a Estado e relações que tem que ser vistas sempre no médio e no longo prazo, levando em consideração os interesses nacionais e os interesses do Estado", afirmou.

    Costa Júnior chamou a atenção também para o fato do documento questionar o fato de Trump ter nomeado o Brasil como um aliado extra-OTAN.

    "Entre outras coisas que esse documento diz é de que é preciso revisar o apoio ao Brasil enquanto candidato a OTAN. E a partir do momento em que nós colocamos todas as fichas de nossa política externa não pela diversidade, não pela multipolaridade, não pelo apoio da pluralidade de parceiros internacionais, a gente está se isolando cada vez mais e alinhando com a política externa trumpista", comentou.

    O problema, segundo Pedro Costa Júnior, pode ocorrer já em 2020, quando os EUA passarão por novas eleições.

    "O presidente Bolsonaro se alinha não exatamente ao governo americano, mas ao presidente Trump. E ano que vem tem eleições nos EUA e o presidente Trump pode não ser reeleito. Como ficaremos?", questiona.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Deputado dos EUA que deseja barrar exportações do Brasil mira em Trump e Bolsonaro, diz analista
    Veja a íntegra do discurso de Bolsonaro na Assembleia das Nações Unidas
    'Lambe botas': Lula considera humilhante submissão de Bolsonaro aos EUA
    Ao ver Trump na ONU, Bolsonaro diz 'I love you', segundo jornal
    Tags:
    política externa, Estados Unidos, Brasil, Donald Trump, Jair Bolsonaro
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar