07:11 03 Agosto 2020
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    2120
    Nos siga no

    As Forças Armadas do Qatar e o Comando Central da Força Aérea dos EUA assinaram um acordo de procedimento operacional para as forças da OTAN no Qatar, tendo como pano de fundo a deterioração da situação em torno do Irã.

    A maior base militar dos EUA no Oriente Médio fica no Qatar, especificamente na cidade de Al-Udeid, onde 13 mil soldados americanos estão posicionados e de onde os EUA estão operando em toda a região.

    Durante entrevista concedida à Sputnik Persa, o especialista em Oriente Médio e cientista político iraniano Mosayeb Naimi disse que é pouco provável que o Qatar, ou outro país, forneça seu território para um ataque ao Irã, porque ninguém quer entrar em guerra.

    "Nem a situação nos EUA em si, nem as condições na região [do golfo Pérsico] permitem que os EUA entrem em guerra. O Qatar havia declarado anteriormente ao Irã e aos americanos que o seu território não poderia ser usado contra o Irã. As últimas ações dos EUA são truques de propaganda americana que visam empurrar o Irã para um confronto com o Qatar", afirmou.

    Para Naimi, qualquer país que se envolva em uma guerra contra o Irã sairá muito prejudicado e, por esse motivo, ninguém quer um conflito armado, nem mesmo "os países membros da coligação com os EUA: Arábia Saudita e Emirados Árabes Unidos".

    "É claro que a guerra pode destruir o equilíbrio atual e a situação na região, e o Qatar já o declarou. Até agora, não houve qualquer anuncio do Qatar de que esteja formando uma coalizão com os EUA contra o Irã", assinalou.

    Questionado sobre o apoio iraniano concedido a Doha durante o bloqueio econômico do Qatar, o analista destaca que as bases americanas sediadas nos país não serão usadas contra nenhum Estado vizinho.

    "O Qatar enfatizou isso e afirmou que o apoio por parte do Irã durante o bloqueio econômico nunca seria esquecido", recordou.

    O analista enfatiza que Teerã busca a distensão, além de aconselhar todos os países da região a não satisfazerem as exigências americanas, já que o Irã é a força dominante no golfo Pérsico em termos geográficos e estratégicos.

    "Deve-se ter em mente que os países da região que porventura iniciassem uma guerra não seriam capazes de terminá-la, porque a escala da guerra aumentaria à medida que o número de participantes aumentasse […] Por isso, o povo do Qatar nunca correrá tal risco para a segurança do seu país. Para além disso, com o início da guerra haveria um problema de trânsito de petróleo através do golfo Pérsico, que é de grande importância para o Ocidente", finalizou.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Após lobby do Qatar, Paris vai nomear rua em homenagem a jornalisa saudita morto
    EUA chegam a acordo com Qatar para ampliar sua maior base no Oriente Médio
    Israel bloqueia doação de US$ 15 milhões do Qatar à Palestina
    Tags:
    golfo Pérsico, guerra, Irã, Qatar
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar na SputnikComentar no Facebook
    • Comentar