08:52 24 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Míssil nuclear (arquivo)

    Análise: EUA preparam cenário da guerra nuclear limitada na Europa

    © AP Photo / Charlie Riedel
    Análise
    URL curta
    8414

    O analista Igor Korotchenko partilhou a opinião sobre as declarações de dirigente do Pentágono quanto à doutrina russa "escalada para desescalada" que, de acordo com os EUA, prevê o uso limitado das armas nucleares no caso de um conflito militar com armas convencionais.

    Recentemente, o subsecretário de Defesa dos EUA, David Trachtenberg revelou que os EUA precisam de armas nucleares de baixa potência para conter a Rússia.

    O analista e editor-chefe da revista Natsionalnaya Oborona, Igor Korotchenko, deu comentários em entrevista à Sputnik. Ele acha que os EUA estão testando o cenário de guerra nuclear limitada contra a Rússia.

    "Essas declarações mostram que os EUA estão desenvolvendo na prática o cenário de uma guerra nuclear limitada na Europa, quando a utilização de armas nucleares de baixa potência é considerada possível no decurso de ações militares contra a Rússia", afirmou Igor Korotchenko. 

    Segundo ele, o treinamento das tropas, a preparação e os exercícios militares na Rússia são efetuados em conformidade com todos os cenários possíveis e, por isso, a Rússia não deve prestar atenção a tudo o que os generais do Pentágono dizem. 

    "Ao mesmo tempo, o fato de os EUA utilizarem armas nucleares táticas contra a Federação da Rússia significará automaticamente que serão lançados ataques nucleares contra os centros nos EUA onde tais planos são implementados e a partir de onde as respectivas instruções são dadas", concluiu Igor Korotchenko.

    Mais:

    Há ameaça mais perigosa e terrível do que arma nuclear, avisa analista
    'Nada os detém': analista comenta liderança dos EUA no 'top 5' dos gastadores militares
    Analista sobre navios dos EUA perto da China: paranoia e desejo de sufocar economia do país
    Tags:
    David Trachtenberg, Europa, Rússia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar