08:07 24 Agosto 2019
Ouvir Rádio
    Caravana de navios na Rota Marítima do Norte (foto de arquivo)

    'Rota Marítima do Norte é golpe contra bem mais valioso de Washington'

    © Sputnik / Solomon Lulishov
    Análise
    URL curta
    3300

    A Rússia tenta estimular cooperação pacífica com os países da região ártica, enquanto se esforça para desenvolver o projeto relacionado à Rota Marítima do Norte.

    A 4ª edição do Fórum Internacional do Ártico será realizada nesta semana na cidade russa de São Petersburgo e contará com a presença dos líderes da Rússia, da Finlândia e da Islândia e os primeiros-ministros da Noruega e da Suécia.

    O translado via marítima é considerado atualmente o mais barato e mais vantajoso, e é por isso que a sua procura excede sempre a oferta.

    Até 2024 está previsto que o transporte de mercadorias na Rota Marítima do Norte aumente em 80 milhões de toneladas.

    Atualmente, pelo menos 10% do transporte marítimo de mercadorias são efetuados através do chamado "desfiladeiro estreito" do canal do Suez.

    Segundo o jornalista russo Dmitry Lekukh, as empresas de logística são obrigadas a esperar na fila por quase um mês para passar por esta área.

    "É muito difícil sobrestimar o surgimento de uma rota alternativa de transporte navegacional anual pela Rota Marítima do Norte. Além disso, não existem riscos políticos no Norte: tais como conflitos tão característicos da região do Oriente Médio, a pirataria no golfo de Aden e muitos outros", enfatiza Lekukh em seu artigo.

    O jornalista destaca que os parceiros da Rússia do outro lado do oceano tratam a Rota Marítima do Norte de forma muito negativa, uma vez que a abertura total dela comprometeria o controle norte-americano do comércio mundial através da logística do transporte marítimo.

    "A Rota Marítima do Norte é um golpe contra o bem mais valioso de Washington: a sua própria carteira, e isso Washington não pode perdoar […] Isso nem sequer é o [gasoduto] Nord Stream 2, que é desagradável para um segmento da economia americana, mas que não é mortal", escreve o colunista.

    O presidente da Rússia, Vladimir Putin, reitera a necessidade de proporcionar segurança à região ártica, pois a nação russa está enfrentando uma grande resistência ao desenvolver esses projetos.

    "O Ártico é um prêmio e não uma ameaça existencial. E qualquer conflito, mesmo local, é completamente inútil nesta região. Basta citar a opinião do atual chefe do Ministério dos Recursos Naturais e do Meio Ambiente, Dmitry Kobylkin: 'Um rublo investido nos projetos do Ártico atrai outros 15 rublos, o que é uma boa proporção, que poucos segmentos da economia podem dar'", ressalta.

    Durante entrevista à Sputnik, o diplomata russo Nikolai Korchunov sublinhou que a Rússia está seguindo uma política aberta e gradual de cooperação internacional no Ártico.

    O diplomata observou que Moscou acolhe favoravelmente outros países do Ártico, cuja política não implica traçar linhas divisórias na região.

    Mais:

    Navio da OTAN atravessa Rota Marítima do Norte aos olhares da inteligência russa
    Opinião: quebra-gelo Ilya Muromets reforça posições da Rússia na rota marítima do norte
    Rússia desenvolve novos planos petrolíferos no Ártico
    China discorda de novas exigências da Noruega no Ártico
    Tags:
    área estratégica, Rota Marítima do Norte, Vladimir Putin, Ártico, Rússia
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar