04:25 14 Dezembro 2018
Ouvir Rádio
    Forças da coalizão manuseiam munição de fósforo branco no Iraque

    EUA manipulam mandato da OPAQ 'para encobrir crime' de uso de armas químicas, diz analista

    © 1st Lt. Daniel Johnson / dvidshub.net
    Análise
    URL curta
    320

    Depois de ataques da coalizão internacional liderada pelos Estados Unidos em uma província da Síria, o analista militar relatou ao serviço russo da Rádio Sputnik que isso está ligado à recente votação na conferência sobre armas químicas.

    A coalizão internacional encabeçada pelos EUA atacou a cidade de Hadjin, situado na província síria de Deir ez-Zor, utilizando munições com fósforo branco, uma substância proibida pelas normas internacionais, comunicou a televisão estatal da Síria nesta quarta-feira (21).

    De acordo com dados do canal, em resultado do ataque há mortos e feridos entre os civis. O canal não detalhou o número exato de vítimas.

    "Ataques aéreos da coalizão internacional com uso de fósforo branco contra a cidade de Hadjin, no leste de Deir ez-Zor, levaram à morte de civis, também há feridos", comunicou o canal estatal Al-Ikhbariya.

    O membro da direção da Academia de Problemas Geopolíticos e especialista político Araik Stepanyan comentou essa situação ao serviço russo da Rádio Sputnik.

    Segundo o especialista militar, na conferência sobre as atividades da Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ) os americanos exerceram pressão e no final fizeram aprovar seu projeto para capacitar essa organização de poderes para determinar os responsáveis pelo uso de armas químicas.

    "Por que os americanos fizeram isso? Para poderem justificar suas próprias violações, especialmente na Síria, onde são usadas munições de fósforo proibidas para uso contra objetivos civis", disse Stepanyan.

    De acordo com o analista, os americanos também usaram reiteradamente essas munições em outros países.

    "E para encobrir seus crimes, os americanos transformam a OPAQ em uma ferramenta em suas mãos: eles próprios usam substâncias químicas proibidas e estão, ao mesmo tempo, acusando o governo da Síria", afirmou Araik Stepanyan

    A coalizão liderada pelos EUA atua desde 2014 no Iraque e na Síria com o alegado objetivo de derrotar o grupo terrorista Daesh (proibido na Rússia e em vários outros países), o autoproclamado Estado Islâmico. No entanto, as ações da coalizão na Síria são realizadas sem autorização das autoridades do país ou do Conselho de Segurança da ONU. Damasco instou a ONU a agir e a acabar com a presença ilegal da coalizão no país.

    Na terça-feira (20), a Conferência dos Estados Participantes da Convenção sobre Armas Químicas aprovou o projeto de orçamento para 2019, que amplia o mandato da Organização para a Proibição de Armas Químicas. Com os novos poderes, a organização tem a possibilidade de identificar os culpados de ataques químicos. A Rússia não concorda com esta decisão.

    Mais:

    Imprensa: aviação da coalizão dos EUA ataca cidade síria com uso de fósforo branco
    Mídia: coalizão internacional ataca província síria de Deir ez-Zor com substância proibida
    Pentágono nega uso de bombas de fósforo pela coalizão na Síria
    Tags:
    fósforo branco, ataque, coalizão internacional, Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ), Deir ez-Zor, Hadjin, Síria, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik