17:44 20 Agosto 2018
Ouvir Rádio
    Moeda de rublo em frente ao Kremlin, em Moscou

    Rússia estaria pronta para 'guerra comercial' iniciada pelos EUA?

    © AFP 2018 / Alexander Nemenov
    Análise
    URL curta
    4191

    O reforço de novas sanções contra a Rússia significa declaração de guerra comercial, declarou o premiê russo, Dmitry Medvedev. Em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, o cientista político, Ildus Yarulin, notou que poucos saem vitoriosos de uma guerra dessas.

    O futuro reforço das sanções contra a Rússia pode ser considerado como declaração de guerra econômica, afirmou o primeiro-ministro da Rússia, Dmitry Medvedev.

    O primeiro-ministro adiantou que se proibirem atividade de bancos ou uso de qualquer moeda, então se pode falar sobre declaração de guerra econômica, a qual a Rússia deverá reagir com métodos econômicos, políticos e, se necessário, com outros. "Nossos amigos norte-americanos devem entender isso", reforçou.

    Dmitry Medvedev lembrou que as sanções contra Moscou já foram introduzidas antes e diversas vezes para expulsar a Rússia do círculo de concorrentes poderosos na arena mundial.

    Em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, o cientista político, Ildus Yarulin, destacou que os EUA nem pensam nas consequências econômicas quando introduzem novas sanções.

    "Trata-se, primeiramente, da luta política dentro dos EUA. A russofobia nos EUA é muito estimulada, e agora estão usando isso — quem vai falar mais alto sobre as sanções. As eleições primárias em vários estados mostram que os republicanos ainda não têm com o que se contentar. Por enquanto é cedo dizer que as suas posições no Senado e Congresso serão fortes. E, infelizmente, a carta antirrussa é jogada por todos", disse Yarulin.

    De acordo com o cientista político, poucos saem ganhando da pressão das sanções.

    "Não precisa nem duvidar que as sanções vão afetar a Rússia, não são ameaças fatais, mas podem frear solução de algumas tarefas econômicas e afetar o desenvolvimento social do país, especialmente, se introduzirem o segundo lote de sanções ligado à atividade da nossa estrutura financeira. Claro que a Rússia está pronta e não foi por acaso que o governo retirou o dinheiro investido nos ativos norte-americanos. Acho que a União Europeia vai se juntar às sanções. Porque está em curso uma guerra não declarada. Mas uma guerra prejudica ambas as partes — e poucos saem ganhando. Por outro lado, a guerra é declarada não só contra nós, mas também contra a China. E veremos até que ponto o BRICS está pronto para suportar as sanções em conjunto. Se seguirem o mesmo rumo, a pressão das sanções se enfraquecerá", conclui.

    Mais:

    EUA vão impor sanções independentemente das ações da Rússia, diz especialista
    Embaixada da Rússia critica novas sanções dos EUA por envenenamento dos Skripal
    Economia russa colhe frutos da guerra comercial entre EUA e China
    Tags:
    ameaça, política, luta, guerra, russofobia, sanções, Dmitry Medvedev, Rússia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik