02:07 19 Outubro 2018
Ouvir Rádio
    Bandeira dos EUA junto a emblema nacional da China (foto de arquivo)

    Oficial da CIA: China empreende Guerra Fria contra EUA

    © AP Photo / Andy Wong
    Análise
    URL curta
    844

    A China quer substituir os Estados Unidos na qualidade de potência global dominante e está buscando uma guerra fria contra Washington, afirmou o vice-diretor assistente da CIA, Michael Collins, durante o Aspen Security Forum.

    "Os chineses buscam fundamentalmente substituir os Estados Unidos como potência líder no mundo", disse Collins na sexta-feira. "O que eles estão travando contra nós é fundamentalmente uma Guerra Fria."

    Collins explicou que a China está usando todas as vias de poder, incluindo as ilícitas, para minar a posição dos Estados Unidos, seu principal rival.

    Uma China em ascensão deseja que todos os países do mundo se alinhem a ela, e não aos Estados Unidos, quando se trata de importantes decisões políticas, disse Collins.

    Collins enfatizou que o governo chinês sob a liderança de Xi Jinping tem aumentado suas ambições em todo o mundo para competir com os Estados Unidos e busca reduzir a influência de Washington em outros países.

    Além disso, Collins expressou preocupação com a influência da mídia na China, a pressão econômica e também a interferência política sobre os americanos.

    No entanto, Collins apontou que a China não deseja se envolver em uma guerra de verdade com os Estados Unidos.

    Mais cedo na sexta-feira, o presidente dos EUA, Donald Trump, disse que estava pronto para impor tarifas sobre todas as importações da China.

    Mais:

    China volta a desvalorizar yuan em meio à disputa comercial com EUA
    China declara que BRICS reforçará cooperação frente ao conflito comercial com EUA
    EUA adotarão sanções contra Rússia, China e Europa por importação de petróleo iraniano
    China: guerra comercial é de total responsabilidade dos EUA
    China se diz 'chocada' com novas tarifas dos EUA e promete resposta
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik