11:19 23 Setembro 2018
Ouvir Rádio
    Guarda de honra durante visita do chanceler russo, Sergei Lavrov, a Pyongyang

    Especialista revela em quais condições Washington e Pyongyang concretizariam acordo

    © Sputnik / TASS/Pool/Valery Sharifulin
    Análise
    URL curta
    460

    A própria Coreia do Norte deve decidir quantas garantias dos EUA serão necessárias para concretizar acordo, declarou o chanceler russo, Sergei Lavrov. O especialista Andrei Lankov, em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, supôs quais poderiam ser estas obrigações.

    O ministro das Relações Exteriores da Rússia acredita ser preciso saber não exigir tudo ao mesmo tempo nas negociações do problema norte-coreano e não vale a pena acelerar o processo de maneira artificial, notando que cabe somente à Coreia do Norte decidir quantas garantias dos EUA serão suficientes para concretização de acordos.

    Em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, professor da Universidade Kookmin da Coreia do Sul, Andrei Lankov, sugeriu o que podem representar estas obrigações.

    "A parte americana pode oferecer proteção contra ataques do exterior, ou seja, uma declaração clara de que caso a Coreia do Norte cumpra algumas condições (por exemplo, não realização de testes de mísseis superiores a um alcance estabelecido ou realização de testes somente a grandes altitudes), o que quer que aconteça, os americanos não usariam a força militar contra ela. A parte americana pode assumir tal obrigação. E há certa probabilidade de ela cumprir a sua palavra", opina Andrei Lankov.

    Inicialmente, Washington e Pyongyang decidiram realizar negociações de alto nível em Singapura em 12 de junho, mas, na semana passada, o presidente norte-americano, Donald Trump, declarou não ser "o melhor momento para se encontrar" com o líder norte-coreano, Kim Jong-un, por causa das declarações "hostis" por parte de Pyongyang.

    Representantes do Ministério das Relações Exteriores da Coreia do Norte, por sua vez, confirmaram que Pyongyang está prestes a realizar o encontro a qualquer hora e em qualquer formato, o que é necessário para a desescalada das relações complicadas. No sábado, Trump declarou que continua contando com a realização da cúpula em Singapura.

    Mais:

    Analista explica como questão nuclear norte-coreana pode ser resolvida sem EUA
    Cúpula vai mesmo acontecer? Vice de Kim está a caminho dos EUA, revela Trump
    Porta-aviões nuclear dos EUA quer 'contribuir para paz e prosperidade' no Pacífico (FOTOS)
    Tags:
    cúpula, acordo, Ri Yong-ho, Donald Trump, Kim Jong-un, Sergei Lavrov, Coreia do Norte, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik