08:22 15 Outubro 2019
Ouvir Rádio
    Feirantes de Brasília fecham a EPIA Norte, em frente ao CEASA, em protesto de apoio à paralisação dos caminhoneiros

    Caminhoneiros: apesar de acordo entre governo e entidades, greve pode continuar

    © Foto / Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
    Análise
    URL curta
    Greve dos caminhoneiros paralisa o Brasil (37)
    1370
    Nos siga no

    O governo federal assinou ontem um acordo com representantes do movimento de caminhoneiros que vem realizando protestos por todo o país contra o aumento no preço dos combustíveis, a fim de suspender a greve que quase paralisou o Brasil. Muitos manifestantes da categoria, no entanto, disseram não reconhecer esse entendimento entre as partes.

    Em diversas manifestações divulgadas através das redes sociais após o anúncio do acordo, firmado entre ministros do governo de Michel Temer e membros de diferentes entidades, grevistas que não se sentiram contemplados com o resultado das negociações com o poder público defenderam a continuação da greve, afirmando que os termos acordados não atendem às suas demandas. 

    Embora boa parte dos caminhoneiros não tenha aceitado o acordo, a Polícia Rodoviária Federal (PRF) emitiu nota, ainda na noite de quinta-feira, informando que estava iniciando a etapa de monitoramento da desmobilização nas rodovias federais.

    "Obstrução de vias – salientamos que bloqueio, interrupção ou perturbação deliberada do fluxo nas rodovias, mesmo que parcial, utilizando-se de veículo parado sobre a via, é infração gravíssima, passível de autuação e apreensão do veículo pela PRF, conforme o artigo 253-A do Código de Trânsito Brasileiro."

    Antes disso, ainda na tarde de ontem, a Justiça Federal emitiu uma liminar autorizando o uso das Forças Armadas para retirar caminhoneiros de uma das estradas bloqueadas pelos manifestantes, a BR-101. 

    Se os caminhoneiros insatisfeitos decidirem realmente continuar protestando nas estradas, é possível que, com esse acordo, o governo faça uso da força para acabar com as manifestações? Se não, quais serão as consequências de uma paralisação ainda mais prolongada para a economia do país?

    Ministros anunciam acordo celebrado com entidades que representam movimento dos caminhoneiros
    © Foto / Valter Campanato/Agência Brasil
    Enquanto a primeira questão ainda depende de uma posição mais clara por parte das autoridades, a segunda se desenvolve de maneira mais tangível para quase toda a população, com preços subindo e produtos sumindo a uma velocidade que se opõe à observada nos caminhões dos manifestantes. 

    Em entrevista à Sputnik Brasil, Michelle Nunes, professora de Economia da Faculdade Presbiteriana Mackenzie Rio, reforçou a previsão que todos já observam com grande preocupação: quanto mais tempo durar a greve, maior será seu impacto nos preços. E essa proporção será ainda maior quando os estoques começarem a desaparecer. 

    "São dois efeitos na verdade. No início, é pura especulação. Ele entende que tem menos produtos na prateleira e a demanda de boa parte deles já alterou, então ele sabe que pode ganhar mais com isso. Mas também é um olho a médio prazo. Porque eles estão vendo a resposta do governo, e está sendo lenta", afirma a especialista. "A Petrobras, por exemplo, já reduziu 10% do preço do diesel, ela abriu mão de margem de lucro dela. Mas eles sabem que isso é curto prazo, eles não querem nada de curto prazo. Eles querem uma decisão mais concreta". 

    De acordo com a economista, não há dúvidas de que o país pode parar de vez com uma greve mais prolongada dos caminhoneiros, já que a paralisação acaba afetando um número muito grande de setores. 

    "Se isso durar até semana que vem, literalmente, a gente não vai ter o que comer nem como sair de casa. É paralisação geral."

    Para Nunes, a atual crise mostra a necessidade de se colocar em pauta duas discussões muito importantes no Brasil, uma referente à infraestrutura e outra referente à carga tributária. Segundo ela, os problemas evidenciados ao longo desses últimos dias afetam invariavelmente todos os brasileiros, estejam estes contra ou a favor do movimento. 

     

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Tema:
    Greve dos caminhoneiros paralisa o Brasil (37)

    Mais:

    Presidente do Senado convoca líderes para decidir votação de isenção do diesel
    Empresário: 'Estamos trabalhando em regime de escravidão' para pagar impostos
    Tags:
    paralisação, greve, caminhoneiros, Michelle Nunes, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar