08:33 20 Junho 2018
Ouvir Rádio
    Trabalhadores pró-governo cantando no Dia dos Trabalhadores, Caracas, Venezuela

    Eleições venezuelanas: continuidade ou dolarização?

    © AP Photo/ Ariana Cubillos
    Análise
    URL curta
    893

    Nas próximas eleições venezuelanas, que decorrerão neste domingo (20), competirão o atual presidente, Nicolás Maduro, que prometeu retirar o país da profundíssima crise econômica, e o representante da oposição, Henri Falcón, que defende a dolarização e colaboração com várias organizações de crédito internacionais.

    O comparecimento eleitoral será o fator decisivo, acredita o jornalista venezuelano entrevistado pela Sputnik Mundo, Modesto Emilio Guerrero.

    "A vantagem de Falcón é que ao provir do chavismo e hoje ser antichavista, ele pode receber apoio de ambos os lados […] A vantagem de Maduro é representar a continuidade. Há muitos anos que o país se encontra em colapso, ninguém dá garantias. A quem as Forças Armadas obedecem? Maduro. Quem representa o poder estatal? Maduro", afirmou o jornalista.

    Em 2013, o comparecimento eleitoral correspondeu a 70%. Desta vez, espera-se que seja 63%. De acordo com o jornalista, a Venezuela virou um país tão presidencialista, que a luta pelo poder decorre somente durante as eleições presidenciais.

    "Segundo os inquéritos, a diferença entre os resultados será definida pelo nível de comparecimento, não pelas próprias eleições", assinalou.

    A jornalista da Sputnik Mundo, Telma Luzzani, chamou a atenção para que a situação em Caracas na véspera das eleições está tranquila. Ela ressaltou a propaganda oposicionista ativa na cidade, que apela à dolarização o mais breve possível. Além disso, ela destacou as declarações do ex-presidente do governo espanhol, José Rodríguez Zapatero, sendo este o mediador entre o governo de Maduro e a oposição venezuelana.

    "Zapatero está continuando a linha que se iniciou durante as conversações na República Dominicana: ele pergunta por que a União Europeia está obcecada com a ideia de não reconhecer as eleições venezuelanas. Ele recorreu a palavras bastante duras, frisando que essa atitude confunde a situação, e apelou para que o bloco europeu cumprisse sua função histórica: acompanhar os processos democráticos e ser moderador durante os momentos de crise", concluiu.

    Mais:

    Pompeo afirma a Aloysio Nunes que EUA querem ampliar ajuda à Venezuela
    Por que para EUA não seria tão fácil 'conquistar' Venezuela?
    EUA pedem à Venezuela liberação de missionário americano preso no país
    Tags:
    eleições, Nicolás Maduro, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik