14:08 21 Maio 2018
Ouvir Rádio
    Enquanto a bandeira russa permanece hasteada, um oficial de segurança está atrás dos portões da residência antiga do cônsul russo, 25 de abril de 2018, Seattle, EUA

    'Estados Unidos dão início à caça aos diplomatas russos', diz analista

    © AP Photo / Elaine Thompson
    Análise
    URL curta
    543

    O Kremlin chamou de "paranoia" as mensagens da mídia norte-americana em relação à "vigilância" de diplomatas russos sob imigrantes nos EUA.

    O porta-voz do presidente russo, Dmitry Peskov, comentou os recentes relatos da mídia ocidental alegando que os diplomatas expulsos dos EUA estavam supostamente envolvidos na vigilância de imigrantes da Rússia e suas famílias, os quais Moscou "considera como inimigos e traidores do Kremlin". Entretanto, a publicação não apresentou nenhuma prova. 

    "[As mensagens] ainda parecem manifestações primárias e secundárias de paranoia, às vezes, desempenhada por nossos colegas", disse Peskov aos jornalistas. 

    Segundo ele, a mídia deveria listar os nomes e as razões que levaram os EUA a divulgarem essa afirmação. 

    Bandeiras da Índia e da China (foto de arquivo)
    © REUTERS / Adnan Abidi/File Photo
    "Nada disso foi feito", acrescentou. 

    No final de março, os EUA anunciaram a expulsão de 60 diplomatas russos e o fechamento do Consulado Geral da Rússia em Seattle. As autoridades norte-americanas justificaram as ações pelo "envolvimento de Moscou na tentativa de assassinar o ex-agente russo Sergei Skripal e sua filha Yulia", sem fornecer qualquer prova.

    Em entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik, o analista em assuntos de segurança, Konstantin Blokhin, observou que a situação atual lembra o período de perseguição política nos Estados Unidos.

    "É um retorno aos dias de escuridão para os Estados Unidos, a época do senador Joseph McCarthy. Só que agora isso acontece com um novo estrondo: no passado sempre caçaram comunistas, e agora estão na mira os 'temíveis russos'. É claro que tudo isso prejudica as relações russo-americanas, além de arruinar a imagem dos EUA", afirmou Blokhin.

    Ele também acrescentou que os norte-americanos invadiram as embaixadas russas, quebrando todas as convenções possíveis. 

    "Infelizmente, Estados Unidos começaram uma nova 'caça às bruxas' – caça aos diplomatas russos", concluiu. 

    Na quarta-feira (25), autoridades dos EUA chegaram à residência fechada do cônsul-geral russo em Seattle, abriram os portões e entraram no prédio.

    Maria Zakharova, representante oficial do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, classificou a situação como "absolutamente ultrajante, vergonhosa e sem precedentes" que viola grosseiramente as normas jurídicas internacionais.

    Anteriormente, os EUA exigiram fechar o Consulado Geral da Rússia em Seattle no dia 2 de abril e liberar o prédio da residência do cônsul geral em 25 de abril.

    Mais:

    Opinião: nomeando Rússia 'patrocinadora do terrorismo', EUA querem deitar mão à Europa
    Lavrov: expulsão de diplomatas russos foi uma provocação
    'Guerra é negócio': analista teme que EUA possam desencadear conflitos na América Latina
    Tags:
    caça às bruxas, imigrantes, diplomatas, expulsão, Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Consulado Geral da Rússia em Seattle, Kremlin, Yulia Skripal, Sergei Skripal, Dmitry Peskov, Moscou, Seattle, Rússia, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik