08:25 22 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Supermercado em Veliky Novgorod, na Rússia (arquivo)

    Mais comida brasileira na mesa russa pode duplicar comércio bilateral

    © Sputnik/ Konstantin Chalabov
    Opinião
    URL curta
    3706110

    "A balança comercial entre Rússia e Brasil tem tudo para chegar, em poucos anos, aos 10 bilhões de dólares anuais graças à venda dos produtos agrícolas brasileiros para o mercado russo." Quem diz isso é Wagner Parente, diretor-superintendente da Barral M Jorge Consultoria, especializada em comércio exterior.

    Segundo Parente, que está acompanhando a World Food Moscow 2017, evento iniciado na segunda-feira, 11, e que se estende pela semana, a diversificação da pauta agrícola brasileira é fundamental para atender às exigências do mercado russo:

    "O Brasil tem uma pauta agrícola bastante diversificada. Hoje, o principal produto de exportação agrícola do Brasil para a Rússia é a carne, a proteína animal. Praticamente, 60% da carne consumida na Rússia vem do Brasil e, por esse aspecto, vê-se que a Rússia é um país muito relevante para o Brasil. O saldo comercial entre os dois países: há uma corrente de comércio que, em 2016, foi algo em torno de 4.3 bilhões de dólares e, praticamente 70% do que o Brasil exporta para a Rússia é de gêneros agrícolas/alimentícios."

    Na entrevista exclusiva que concedeu à Sputnik Brasil, Wagner Parente declarou que a balança comercial Rússia-Brasil poderá chegar aos 10 bilhões de dólares, impulsionada pelos produtos agrícolas brasileiros que entram no mercado russo.

    "Fertilizantes são o produto que a Rússia mais vende para o Brasil, e o nosso país é muito dependente dos fertilizantes russos. Então, existe essa demanda do Brasil por fertilizantes russos e da Rússia por produtos agrícolas brasileiros, notadamente alimentícios."

    Além da carne e da proteína animal, o Brasil está vendendo outros produtos para a Rússia, que não faziam parte das exportações alimentícias mais tradicionais, por não serem tão aceitos como agora.

    "São produtos como cachaça, polpa de frutas, amendoim, castanhas… Então, há demanda por esse tipo de produto na Rússia. Temos apenas alguns pequenos problemas de questões tarifárias na Rússia, assim como temos alguns problemas de ordem sanitária. Nada porém que não se possa superar. Eu digo que, atualmente, é mais fácil para o Brasil vender para a Rússia do que para a União Europeia."

    Outro produto brasileiro com grande aceitação entre os russos, segundo o especialista, é o café, cuja qualidade está ficando cada vez maior com a evolução da tecnologia. Hoje, ainda de acordo com ele, "conseguimos colocar no mercado russo o café especial e o café solúvel, produtos com alto valor agregado. Preço e competitividade nossos produtos têm para chegar até os consumidores russos".

    Mais:

    ‘Diálogo Brasil-Rússia deu origem ao grupo BRICS’, diz vice-presidente do NBD
    Agronegócio é a chave da relação Brasil-Rússia
    Câmara Brasil-Rússia: ‘A Federação Russa é mais que um mercado, é um parceiro estratégico’
    Tags:
    comércio, World Food Moscow 2017, União Europeia, Wagner Parente, Rússia, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik