08:43 19 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    Ilhas em disputa no mar do Sul da China

    Opinião: por que Pequim 'já venceu' a batalha no mar do Sul da China?

    © AFP 2017/ Alex Ogle
    Opinião
    URL curta
    123766362

    Num artigo do especialista do centro norte-americano para Relações Internacionais, Ely Ratner, publicado no portal Foreign Affairs, é apresentada uma série de propostas sobre como os EUA poderiam parar a expansão chinesa no mar do Sul da China.

    Estas hipóteses são pouco realísticas, porque o autor menospreza o progresso obtido pelos chineses, a profundidade da sua influência no Sudeste Asiático, bem como a disfuncionalidade da política dos EUA, disse à Sputnik China o especialista militar russo Vasily Kashin.

    Ao avaliar quaisquer planos dos EUA e as possibilidades de suas ações contra a China, devemos ter em conta que os EUA parecem saber menos sobre os planos da China do que os chineses sobre os planos dos EUA, disse o especialista.

    De acordo com os vazamentos de informações de instituições norte-americanas para a mídia, a rede de inteligência dos EUA na China está praticamente desmantelada. Também se sabe que os agentes secretos da China conseguiram mesmo se infiltrar no ano passado no Departamento de Estado dos EUA, assinala Kashin, dizendo que provavelmente a China terá um agente secreto dentro da inteligência dos EUA.

    A China tem laços fortes e exerce grande influência sobre as empresas dos EUA, pode mesmo não permitir, por exemplo, a produção de filmes contra os chineses por Hollywood.

    No seu artigo para a Foreign Affairs, Ely Ratner escreve que entre as medidas para conter a China estão a ativação das relações com os países do Sudeste Asiático, a colocação lá de forças americanas e a criação de alternativas à influência econômica da China na região. Vasily Kashin opina que estas medidas poderão dar certo apenas em teoria, mas com a situação atual que se observa na política interna dos EUA é pouco provável.

    O processo de tomada de decisões nos EUA está paralisado principalmente pela luta entre o presidente e a burocracia norte-americana, juntamente com o Congresso dos EUA.

    Nenhum país do Sudeste Asiático está agora pronto para piorar de repente as relações com a China, como regra a importância das relações com a China é mais importante para eles do que a das relações com os EUA, opina o especialista. A política da China não provoca seu encanto, mas pelo menos é mais compreensível e coerente do que a norte-americana.

    Se os EUA querem realmente lançar um desafio à China no mar do Sul da China, eles precisarão de algo maior que apenas uma série de passos táticos. Neste momento, os EUA provavelmente ainda não estão prontos para isso, concluiu Vasily Kashin.

    Mais:

    Concorrência entre China e EUA: quem ganhará luta pelo canal do Panamá?
    Rússia e China desafiam o domínio militar dos EUA, diz secretário Mattis
    Analista menciona armas da Rússia e China que podem destruir porta-aviões dos EUA
    Tags:
    influência, disputa territorial, Xi Jinping, Donald Trump, Pequim, Washington, EUA, China, Mar do Sul da China
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik