08:00 21 Janeiro 2020
Ouvir Rádio
    Análise
    URL curta
    371
    Nos siga no

    O ex-ministro francês da Economia, Emmanuel Macron, provavelmente apoiará sanções contra a Rússia se ganhar o segundo turno das eleições presidenciais francesas no próximo mês, disseram analistas europeus à Sputnik.

    As relações da França e da UE com a Rússia, incluindo as sanções econômicas, provavelmente permanecerão inalteradas se Macron vencer, disse nesta terça-feira o diretor do Programa de Finanças da Universidade de Administração e Economia de Vilnius, Tom Hashimoto.

    "Se (ou talvez quando) Macron vencer, será como sempre… Ele estará comprometido com a União Europeia, mas é improvável que ele lidere a política externa da UE nesta fase inicial da sua presidência", disse Hashimoto.

    O conservador François Fillon e o candidato do Partido Socialista Jean-Luc Melenchon foram ultrapassado por Macron e Marine Le Pen no primeiro turno das eleições presidenciais no domingo.

    Hashimoto reconheceu que Macron é o favorito para ganhar no segundo turno, mas destacou que ele desperta pouco entusiasmo nos eleitores, enquanto a sua oponente, Le Penl, demonstra habilidade tática.

    "Macron… é a escolha que sobra para (para quem não quer votar na Frente Nacional)… A Sra. Le Pen acabou de deixar a liderança do seu partido, demonstrando a sua habilidade tática e política", disse o interlocutor da agência.

    Macron provavelmente será um presidente fraco, impopular e ineficaz se for eleito, opinou Hashimoto.

    "É provável que seja tão impopular quanto os seus predecessores, se sua mensagem centrista não for levada a cabo com visões e políticas claras", explicou.

    No entanto, uma vitória de Le Pen poderia ser ainda mais preocupante para a estabilidade da França, alertou Hashimoto.

    "Se Le Pen vencer, de modo surpreendente, as pessoas vão protestar. Seus primeiros 100 dias serão dedicados à política interna, com ocasionais preparativos para a versão francesa do Brexit", disse o especialista.

    Le Pen provavelmente perturbaria as relações da França com a União Européia, mas sua vitória poderia anunciar melhores relações com a Rússia e os Estados Unidos, sugeriu Hashimoto.

    O historiador e comentarista de assuntos internacionais Matthew Dal Santo concordou que Macron era o mais antirrusso dos quatro principais candidatos presidenciais franceses.

    "Acho que Macron certamente ganhará porque é apoiado pelo establishment político e pela mídia franceses, mas ele é o único dos quatro principais candidatos que não defendeu a restauração de boas relações com a Rússia", alertou Dal Santo.

    A política externa de Macron apenas continuaria a desacreditada política do atual presidente François Hollande e do anterior presidente Nicolas Sarkozy, declarou o historiador.

    "Macron tentará reviver o antigo bloco euro-atlântico que une os Estados Unidos, Reino Unido, França e Alemanha contra uma Rússia cada vez mais isolada", concluiu.

    Mesmo se for eleito, Macron se mostrará um presidente ineficiente e desacreditado, advertiu Dal Santo.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Hollande promete votar em Macron e diz que Le Pen 'representa risco' para a França
    Macron é líder no 1º turno das eleições na França e decidirá presidência com Le Pen
    Macron ultrapassa Le Pen na disputa presidencial na França
    Le Pen diz que defenderá a França contra globalização
    Fillon admite derrota e declara apoio a Macron no 2º turno das eleições na França
    Le Pen e Macron são os mais votados e disputarão o 2º turno na França, aponta boca de urna
    Tags:
    eleições presidenciais, eleições na França, Matthew Dal Santo, Tom Hashimoto, Marine Le Pen, Emmanuel Macron, França
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar