16:14 27 Junho 2017
Ouvir Rádio
    Um oficial iraquiano mostra armazém de armas químicas do Daesh

    EUA estão 'confusos' quanto à real capacidade do Daesh e seu arsenal químico

    © Sputnik/
    Opinião
    URL curta
    394990

    Karen Kwiatkowski, tenente da Força Aérea dos EUA, afirmou à Sputnik International que a inteligência dos EUA permanece em um alto nível de confusão sobre as capacidades do Daesh, inclusive sobre seu arsenal de armas químicas.

    "O nível de confusão na comunidade de inteligência dos EUA é extremamente alto", disse Kwiatkowski nesta quinta-feira. "O resultado política das ações da comunidade de inteligência nos EUA parece incompleto e impreciso, e provavelmente não fruto de um consenso honesto entre as agências", disse a interlocutora da agência.

    A Casa Branca acusou o presidente sírio, Bashar Assad, de ser responsável pelo ataque químico de 4 de abril na vila de Khan Shaykun, na província de Idlib, sob alegação de que ninguém mais poderia ter realizado o ataque.

    Kwiatkowski descartou esse raciocínio como superficial e falso.

    "A Casa Branca está claramente errando ao afirmar que ninguém mais poderia ter feito. Embora não seja completamente claro qual tipo de produto químico foi detonado em Idlib na semana passada, temos conhecimento sobre a posse pelo Estado islâmico (Daesh) e grupos rebeldes de agentes químicos há vários anos", apontou a militar.

    Daesh e outras forças na região certamente são capazes e possuem recursos para organizar ataques químicos limitados, como o realizado em Khan Shaykhun, observou Kwiatkowski.

    O presidente Donald Trump e seus conselheiros estavam equivocados ao imaginar que Assad poderia ter tido qualquer motivo para usar armas químicas numa época em que seu exército e força aérea haviam estabelecido uma clara superioridade sobre as forças do Daesh, argumentou Kwiatkowski.

    O governo dos EUA continua em desvantagem por não contar com uma política consistente para a Síria ou para o Iraque, nem tem uma política consistente de Daesh, explicou Kwiatkowski.

    "Os ataques aéreos lançados na ausência de um consenso de inteligência e de uma verdadeira estratégia militar e política são inúteis", afirmou.

    Daesh poderia ter recebido armas químicas de várias fontes, disse Kwiatkowski.

    "Sabemos ou suspeitamos que várias partes do Daesh possuem recursos vindos da Arábia Saudita, Iêmen, Catar, Turquia, Kuwait, Israel e Estados Unidos. Sabemos que o Estado Islâmico vinha vendendo petróleo iraquiano no mercado negro. Essas atividades poderiam ter resultado em fundos para comprar armas químicas", disse Kwiatkowski.

    Ou seja, muitas vezes as tropas iraquianas ou de Assad podem ser acusadas pelo uso de armas químicas feito pelo Daesh. 

    Mais:

    Opinião: Crise na Síria levará à perda da hegemonia global dos EUA
    Ex-agente da CIA: Daesh é responsável pelo ataque químico na Síria
    Premiê russo: ataque à base aérea síria desatou as mãos aos terroristas
    EUA são acusados de inação na proteção da população civil na Síria
    Tags:
    inteligência, armas químicas, Daesh, Karen Kwiatkowski, Oriente Médio, Iraque, Síria, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik