02:01 21 Fevereiro 2018
Ouvir Rádio
    Daesh recruta jovens pela Internet

    Opinião: América Latina não está a par do desenvolvimento do Daesh na região

    © REUTERS/ Dado Ruvic
    Opinião
    URL curta
    241

    A América Latina é um território fértil para o trânsito e propagação do Daesh (também conhecido como Estado islâmico), porque há menos preocupação e menos conhecimento sobre o assunto, disse à Sputnik o acadêmico chileno Pablo Sapag.

    "A América Latina não compreende o fenômeno por trás do Daesh, porque este de alimenta de fontes manipuladas desde a sua origem, que são os EUA e a Europa, que têm apresentado essa organização como regional, quando na verdade ela é global", disse o professor, radicado na Espanha e que leciona na Universidade Complutense de Madrid.

    Segundo o especialista, os países da América Latina não têm consciência da penetração e do modo de funcionamento da organização jihadista, porque "não lidam com suas próprias informações," e não entendem este grupo terrorista a partir de sua perspectiva ideológica e doutrinária.

    Sapag acredita que a concentração de Daesh apenas no Oriente Médio é uma noção "errada e enganosa", criada pelos países ocidentais para "desviar a atenção pública" de sua política "desestabilizadora" no Iraque, Síria e Líbia.

    "O Daesh aboliu referências territoriais de sua sigla, porque possui ambições globais. Agora eles estão lutando na Síria e no Iraque, mas não vão desaparecer. Eles vão passar a agir em células ou como lobos solitários", disse o especialista em guerra.

    Na sua opinião, a presença de jihadistas na Europa tem aumentado exponencialmente nos últimos anos, o que poderia ser replicado em países da América Latina, onde o Estado Islâmico tem entre seus interesses "a proximidade dos Estados Unidos."

    Os serviços de inteligência na região, por exemplo, já alertaram sobre, pelo menos, uma centena de latino-americanos que viajaram nos últimos quatro anos para o Iraque e Síria para se juntar às fileiras da estrutura terrorista.

    De acordo com Sapag, o continente americano é propício para a conversão de radicais islâmicos, porque "as práticas religiosas da região não estão conectadas à elementos culturais ligados à construção de identidades nacionais".

    No Chile, ele cita o caso do jovem chileno-norueguês Bastián Alexis Vasquez, que em julho de 2015 apareceu em um vídeo proclamando a destruição das fronteiras entre o Iraque e a Síria.

    O pesquisador observa que o Daesh é uma comunidade global, que está presente em todo o mundo. Segundo ele, a América Latina é "receptiva" e integra com facilidade crenças e costumes estrangeiros. "Por isso, não seria improvável que em 10 a 15 anos a comunidade sunita adquirisse uma presença importante na região".

    Sapag explicou que os sunitas são a corrente majoritária do Islã, onde o Daesh busca recrutar as os mais radicais. Seria errado, porém, segundo o professor, vincular essa corrente majoritária muçulmana ao terrorismo.

    Mais:

    Grupo brasileiro declara lealdade ao Daesh pela primeira vez na América Latina
    Atividade do Daesh faz inteligência argentina intensificar cooperação com Brasil
    Tags:
    opinião, terrorismo, Daesh, Pablo Sapag, América Latina
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik