07:17 14 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Preparativos para a cimeira da UE em Bruxelas

    Acadêmico britânico: criação do exército europeu é pouco provável

    © Sputnik / Alexey Vitvitsky
    Análise
    URL curta
    731
    Nos siga no

    Em uma entrevista exclusiva concedida à Sputnik Internacional, o comentador político e econômico britânico Rodney Atkinson fala sobre a descentralização da União Europeia e a “paranoia” global que invadiu as mentes das pessoas.

    Nesta quarta-feira (26) os eurodeputados aprovaram a criação de um exército da União Europeia. O projeto começará pelos respetivos estudos preliminares, que vão custar de 50 a 100 milhões de euros e serão efetuados entre 2017 e 2020.  Em 2021 e até 2027 o primeiro programa será substituído por um estudo mais pormenorizado e já precisará de maior financiamento: 3,5 bilhões de euros.

    Mais de 60 mil pessoas já puseram sua assinatura em uma petição contra a iniciativa. Acredita-se que ela persegue interesses económicos e a política militarista de um grupo restrito de pessoas, e levará a uma corrida armamentista com os EUA.

    O comentador político e econômico  e assistente ministerial britânico Rodney Atkinson concedeu uma entrevista exclusiva à Sputnik Internacional na qual falou sobre o assunto:

    "É pouco provável que isto aconteça. Os países-membros da União Europeia mal conseguem pagar as suas contribuições à OTAN para manter a segurança a um nível decente, se compararmos com os outros países da aliança. Em segundo lugar, a própria ideia de criar um exército da Europa não tem muito sucesso entre os países do bloco, especialmente na Europa do Leste”, afirmou o perito, acrescentando que a UE está se afastando cada vez mais do sistema centralizado burocrático, que também não contribui à realização de tal iniciativa.

    De fato, as provas para ilustrar a perda de coesão da UE não faltam: a zona euro está mergulhada em uma crise, a Grã-Bretanha está em um processo de saída, a Hungria e outros países-membros da Europa do Leste estão construindo muros para conter o fluxo das migrantes, e, para concluir, as preocupações com o fluxo incessante dos refugiados  do Médio Oriente  pode resultar na eliminação da zona Schengen. Além disso, não se pode deixar de parte as gritantes taxas de desemprego nos países do Sul da Europa.  

    Atkinson também destacou que, quando qualquer sistema está fraco, a melhor defesa para ele é um ataque e intimidação dos vizinhos, e citou o eminente diplomata norte-americano Henry Kissinger, que durante seu discurso em Moscou falou:

    “A força da turbulência global hoje em dia excedeu o poder da sabedoria política do Estado”. 

    O perito também demonstrou um conhecimento profundo da história da Rússia, frisando que Moscou muitas vezes foi alvo de políticas expansionistas de outros países, enquanto a Grã-Bretanha travou imensas guerras em todo o mundo. Para concluir, disse:

    “Mas olhe, o que está acontecendo não é normal. Não é normal que a gente esteja inventado um inimigo e tenha cedido à paranoia. Isso não teria acontecido se estivéssemos vivendo em um mundo civilizado e compreendêssemos bem a situação geopolítica”.

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    'Nenhum país exigiu novas sanções contra Rússia na cúpula da UE'
    Políticas antirrussas da UE são um 'conjunto de erros contínuos'
    Centenas de pessoas protestam na França contra criação de novo centro de refugiados
    Tags:
    Schengen, crise de imigrantes, exército europeu, defesa, Parlamento Europeu, União Europeia, Henry Kissinger, Rodney Atkinson, Reino Unido, Europa Oriental, Europa
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar