15:52 25 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Ato em defesa da democracia em São Paulo
    Paulo Pinto/ Agência PT

    Opinião: Manifestações mostram que o povo rejeita o golpe

    Opinião
    URL curta
    28567144

    “As intensas manifestações de rua em apoio à Presidenta Dilma Rousseff, no dia 31 de março de 2016, são uma clara indicação do quanto o povo rejeita qualquer tentativa de golpe no Brasil.” As palavras são do Deputado Federal Paulo Teixeira (PT-SP), em entrevista à Sputnik Brasil.

    O parlamentar petista acrescenta que foram manifestações muito fortes em todo o Brasil.

    “As manifestações anteriores aconteceram em 50 cidades, agora aconteceram em 70 cidades, o que ampliou muito as presenças e também propiciou um conteúdo mais forte do ponto de vista político e cultural. Toda manifestação tem que ter um elemento político e cultural importante, e nessas manifestações muitos artistas aderiram, como Chico Buarque, que foi à manifestação no Rio de Janeiro, e tantos outros.”

    O Deputado Paulo Teixeira garante que se ampliou também o leque de pessoas que foram às manifestações:

    “Há um leque dos movimentos sociais, dos partidos de esquerda, mas também houve uma ampliação para o centro político brasileiro, preocupado com o retrocesso que um golpe poderia trazer para o nosso país.”

    Sobre o encontro de Dilma Rousseff com intelectuais e artistas no Palácio do Planalto, na mesma quinta-feira, 31, o parlamentar petista o considera “muito paradigmático dessa movimentação que está acontecendo no Brasil. Estão todos preocupados com o golpe”.

    Ainda na entrevista à Sputnik Brasil, Paulo Teixeira falou do manifesto subscrito por vários parlamentares do PT e da base aliada e endereçado ao Conselho Nacional de Justiça. No documento, os parlamentares pedem punição disciplinar para o Juiz Sérgio Moro, da 13.ª Vara Federal Criminal de Curitiba, no Paraná, por entender que ele se excedeu em suas competências e atribuições ao permitir a divulgação das conversas telefônicas mantidas com o ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva com autoridades que, por força do cargo, possuem foro privilegiado e, como tal, só podem ter seus atos apreciados pelo Supremo Tribunal Federal e nunca por um juízo singular.

    “Nós fizemos uma representação no exato momento em que o Supremo Tribunal Federal reconhecia que ele [o Juiz Sérgio Moro] praticou uma ilegalidade, e no exato momento em que ele, juiz, pede desculpas por ter cometido uma irregularidade. É um crime que ele cometeu, e esse crime tem que ser investigado. Ele não tinha competência para investigar a Presidenta Dilma Rousseff, e quando o fez agiu fora da lei, cometeu um crime. Queremos a investigação e a correspondente punição disciplinar.”

    Mais:

    Comissão do Impeachment divulga rito para a defesa de Dilma
    Nélson Barbosa na Câmara: não há base legal para o impeachment
    Artistas e intelectuais encontram Dilma em ato 'contra impeachment e pela democracia'
    Tags:
    ilegalidade, não vai ter golpe, golpe, crime, impeachment, Conselho Nacional de Justiça, STF, PT, Sérgio Moro, Paulo Teixeira, Chico Buarque, Lula, Dilma Rousseff, Brasília, Rio de Janeiro, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik