13:47 25 Setembro 2017
Ouvir Rádio
    Milagro Sala
    © flickr.com/ Ministerio de Cultura de la Nación Argentina

    Opinião: Milagro Sala e Victor Hugo Morales são vítimas da repressão na Argentina

    Opinião
    URL curta
    16760010

    A ativista argentina Milagro Sala, deputada do Parlasul (Parlamento Sul-Americano), está presa desde sábado, 16, acusada de incitar atos extremistas. A jornalista Mariana Serafini denuncia: Milagro é vítima da repressão política na Argentina.

    Segundo a parlamentar e seus advogados, um grande aparato policial foi montado para prendê-la e levá-la ao local em que permanece encarcerada. No domingo, 17, os advogados de Milagro Sala entraram com pedido de habeas corpus para que a parlamentar fosse libertada.

    Membro da Organização Social Tupac Amaru, Milagro Amalia Ángela Sala foi eleita deputada em 10 de dezembro de 2013 pela Frente Unidos e Organizados de Jujuy (sua cidade natal), mas renunciou ao mandato em dezembro de 2015 para se dedicar ao seu novo cargo eletivo, o de deputada do Parlasul, obtido através da coligação partidária Frente para a Vitória, de orientação peronista e kirchnerista.

    Como integrante da Organização Social Tupac Amaru, Milagro Sala participa ativamente de campanhas pelo reconhecimento dos direitos dos indígenas e pela construção de moradias para a população economicamente menos favorecida. A Tupac Amaru atua em 23 províncias e tem mais de 4 mil filiados em todo o país.

    Em 2014, juntamente com outros dirigentes de organizações indígenas sul-americanas, Milagro Sala foi recebida no Vaticano pelo Papa Francisco. Naquela oportunidade o Sumo Pontífice ratificou seu apoio à defesa dos direitos dos povos originais das Américas.

    Sobre a detenção de Milagro Sala, Sputnik Brasil conversou com a jornalista Mariana Serafini, editora de políticas latino-americanas do Portal Vermelho. Para a jornalista, a prisão da parlamentar é arbitrária e injusta, pois, em sua opinião, não há fundamentos para que suas reivindicações, de ordem social, sejam consideradas como instigadoras à realização de atos extremistas.

    “Mas o que temos visto na Argentina, desde que o novo Presidente Mauricio Macri tomou posse, é uma onda absurda de repressão aos movimentos sociais”, diz Serafini. “Depois de 12 anos de kirchnerismo, os movimentos sociais voltaram a ser reprimidos com balas de borracha, cassetetes, amplo aparato social, coisas que não aconteciam há muito tempo. O que aconteceu com a organização que a Milagro representa é o que tem acontecido com diversas outras organizações na Argentina: estão sendo reprimidas.”

    A jornalista especializada em políticas latino-americanas conta ainda que Milagro Sala “foi presa dentro de casa, no sábado, numa operação com 40 policiais”, e que a organização Tupac Amaru apenas defende os direitos dos povos indígenas, demarcações de terras, questões parecidas com as do Brasil.

    “Não vejo fundamento para a detenção de Milagro Sala. Temos acompanhado outros casos de situações bastante extremas que aconteceram recentemente na Argentina, como a perseguição política a Victor Hugo Morales, que é um dos jornalistas mais renomados do país. Ele foi demitido depois de 30 anos trabalhando na mesma rádio, e acredita que foi uma perseguição política. O que aconteceu com Milagro me parece algo do mesmo perfil, porque ela faz parte da Frente para a Vitória, uma coalizão de partidos kirchneristas. A organização Tupac Amaru tem como referência, além do grande líder que lhe deu nome [Tupac Amaru, descendente de imperadores incas, liderou uma rebelião indígena contra os colonizadores espanhóis em 1780-81], também as figuras de Evita Perón e Ché Guevara, e não é uma organização que promove atos agressivos ou qualquer coisa nesse sentido.”

    Mais:

    Acordo Brasil-Argentina acaba com burocracia na fronteira
    Jornalista denuncia campanha de perseguição da mídia de oposição na Argentina
    Movimentos sociais derrotam Macri na Justiça e mantêm Lei da Mídia na Argentina
    Tags:
    movimentos sociais, repressão, parlamentares, perseguição, movimento indígena, prisão, política, Organização Tupac Amaru, Parlasul, Evita Peron, Milagro Sala, Mauricio Macri, Che Guevara, Argentina, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik