21:25 17 Dezembro 2017
Ouvir Rádio
    Barack Obama, presidente dos Estados Unidos (EUA)

    TPP: Parceria dos EUA é pequena frente à presença de China e Rússia na Ásia-Pacífico

    © AP Photo/ Gerald Herbert
    Opinião
    URL curta
    Diego Pautasso
    8151

    Os Estados Unidos e a mídia ocidental apresentam o TPP – Acordo de Parceria Trans-Pacífico – como um notável exemplo de sua projeção comercial. Mas é preciso reconhecer que as iniciativas chinesas e russas têm ampliado de forma muito mais consistente a presença sobre esse espaço estratégico.

    O Acordo de Parceria Trans-Pacífico (TPP) foi negociado em segredo entre os Estados Unidos e 11 países da Ásia e do Pacífico – Austrália, Brunei, Canadá, Chile, Cingapura, Japão, Malásia, México, Nova Zelândia, Peru e Vietnã. 

    Primeiramente, este acordo é um movimento convergente com as políticas neoliberais que assumiram grande preponderância a partir dos anos 1970-80, depois de um longo período de predomínio de políticas não liberais (desenvolvimentistas e/ou socialistas) desde a crise de 1929. Tal acordo tende a reforçar a desregulamentação dos mercados e, com efeito, as desigualdades sociais e internacionais. Assim, fica exposta de forma evidente outra cisão entre, de um lado, o modelo norte-americano centrado na retórica do livre-mercado e, de outro, o modelo sino-russo de valorização do papel do Estado no desenvolvimento. 

    Segundo, deve-se reconhecer que os países que se associaram à iniciativa norte-americana já estão sob sua própria órbita diplomática e comercial, limitando sua intenção de projetar poder para a região através desse acordo. 

    Terceiro, o processo de integração da Ásia-Pacífico tem avançado numa velocidade maior com diversos mecanismos práticos e formais que escapam às iniciativas dos Estados Unidos. A China tem se mostrado cada vez mais assertiva na região, alterando a correlação de forças. Do ponto de vista prático, o mercado chinês tornou-se o principal para os países da Bacia do Pacífico. Do ponto de vista institucional, suas iniciativas redundaram na criação do Banco de Investimentos em Infraestrutura Asiático (AIIB), que já conta com 57 membros fundadores, e na integração regional com o Acordo de Livre Comércio China-ASEAN de 2002 – enquanto apenas quatro países da ASEAN assinaram o TPP. Sublinhe-se ainda que a China, antes mesmo da iniciativa dos Estados Unidos, já havia costurado, em 2011, a proposta de uma Parceria Econômica Regional Ampla com terceiros parceiros, que redundou, um ano depois, na ASEAN + 6, com China, Japão, Coreia do Sul, Índia, Austrália e Nova Zelândia. 

    Ademais, o fortalecimento do eixo China-Rússia impulsionou ações importantes tais como a criação da Organização para a Cooperação de Xangai (2001) e a do Banco de Desenvolvimento dos BRICS (2014).

    Em suma, os Estados Unidos estão costurando uma iniciativa que, em parte, representa “pregar para convertidos”, e a vendem como a ampliação de sua projeção comercial. Mas é preciso reconhecer que, mesmo sem a mesma repercussão da mídia, as iniciativas chinesas e russas têm ampliado de forma muito mais consistente a projeção sobre esse espaço estratégico. A disputa geoeconômica e geopolítica – porque é disso que se trata – continua… 

    Mais:

    Alcançado controverso acordo sobre Parceria Transpacífico
    Japão e EUA divergem sobre participação chinesa na Parceria Transpacífico
    Tags:
    neoliberalismo, zona de livre comércio, livre mercado, Acordo de Parceria Transpacífica (TPP), Banco de Desenvolvimento do BRICS, Organização de Cooperação de Xangai (SCO), Associação de Nações do Sudeste Asiático (ASEAN), Banco Asiático de Investimento em Infraestrutura (AIIB), Rússia, China, Ásia-Pacífico, Estados Unidos, EUA
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik