00:30 13 Dezembro 2019
Ouvir Rádio
    Bandeira da Venezuela

    Venezuela busca novos mercados para seu petróleo como alternativa aos EUA

    © flickr.com / Joseph Remedor
    Análise
    URL curta
    0 61
    Nos siga no

    Está reunida em Cartagena, na Colômbia, a Cúpula de Petróleo e Gás da América Latina Ocidental. Entre os temas em debate, as oportunidades para o petróleo da Venezuela frente às sanções aplicadas ao país pelos Estados Unidos.

    A Cúpula tem a participação de autoridades do setor, empresas petroleiras e especialistas de Colômbia, Venezuela, Chile, Equador, México, Nicarágua e Peru. As restrições impostas pelos norte-americanos ao comércio exterior venezuelano foram uma das preocupações dos participantes da conferência.

    O especialista em políticas latino-americanas, em particular a venezuelana, Rafael Araújo, explica que a partir do Governo de Hugo Chávez a Venezuela tenta diversificar seus compradores de petróleo, pois desde o segundo semestre de 2014 os Estados Unidos, seu principal comprador, ameaçam o país com sanções por conta de questões supostamente ligadas a direitos humanos. Para os Estados Unidos, o Governo de Nicolás Maduro não respeitaria as liberdades democráticas no país.

    Rafael Araújo vê como correta e positiva a tentativa da Venezuela em se voltar para a América Latina, para escoar sua produção de petróleo, caso sejam oficializadas as sanções dos EUA contra o país.

    “Eu penso que é correto”, afirma Araújo. “A Venezuela tem que agir no sentido de buscar mercados, já que é um país dependente da exportação de petróleo. Cerca de 90% das matérias que a Venezuela exporta vêm do petróleo. Então, ela tem que buscar alternativas caso de fato os norte-americanos perpetrem sanções contra ela.”

    O especialista em Relações Internacionais espera que na Cúpula de Petróleo e Gás da América Latina Ocidental, que se realiza em Cartagena, na Colômbia, se consiga não só buscar mecanismos de diálogo regional, para que outros países também produtores de petróleo e gás abram seus mercados, mas também se busque dentro da América Latina mercados para que a Venezuela escoe seu petróleo.

    Rafael Araújo destaca, ainda, que por enquanto o Governo brasileiro não se manifestou sobre possíveis sanções dos EUA contra a Venezuela. “No entanto”, comenta, “o Brasil como um país com a liderança do processo de integração na América do Sul, possivelmente vai se posicionar a favor dos venezuelanos.”

    Professor de História e Relações Internacionais da Unilasalle e da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, Rafael Araújo também pensa que a tensão que ocorre há cerca de um mês na fronteira entre Venezuela e Colômbia pode interferir no relacionamento comercial entre os dois países.

    “Se a situação se intensifica, é evidente que a relação comercial entre os dois países vai ser afetada. Por isso é que colombianos e venezuelanos buscaram o caminho diplomático e da negociação, porque a relação comercial entre os dois países é importante para ambos, já que há uma intensa troca de produtos e matérias-primas.”

    Nesta segunda-feira (28), o secretário-geral da OEA – Organização dos Estados Americanos, Luís Almagro, declarou que será contra uma possível imposição dos Estados Unidos de novas sanções ao Governo venezuelano. O Professor Rafael Araújo vê essa  atitude da OEA como uma forma de tentar recuperar a credibilidade perdida há tempos entre os líderes da América do Sul.

    “A Venezuela, a própria Argentina em alguns momentos, a Bolívia, o Equador tiraram o peso da OEA como um organismo de fato que possa responder a questões políticas da região após a Guerra Fria, já que toda a criação da Organização dos Estados Americanos esteve muito vinculada à Guerra Fria. Um dos argumentos que esses governos já utilizaram para tirar a credibilidade política da OEA é justamente o fato de o organismo historicamente sempre ter se posicionado favoravelmente a demandas colocadas para a região pelos Estados Unidos.”

    As opiniões expressas nesta matéria podem não necessariamente coincidir com as da redação da Sputnik

    Mais:

    Gigantes do petróleo e gás da Venezuela e da Rússia firmam parceria
    Tags:
    petróleo, Mercosul, Organização dos Estados Americanos (OEA), Rafael Araújo, Nicolás Maduro, Hugo Chávez, América Latina, América do Sul, Ásia, EUA, Venezuela
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik
    • Comentar