02:36 22 Outubro 2017
Ouvir Rádio
    Câmara dos Deputados do Brasil
    Luis Macedo / Câmara dos Deputados

    Deputados e senadores voltam ao trabalho depois do recesso: pró-Dilma ou contra Dilma?

    Opinião
    URL curta
    0 34831

    Terminado o recesso parlamentar do meio do ano, o Senado Federal e a Câmara dos Deputados retomaram nesta segunda-feira, 3, as sessões legislativas. O cientista político Antônio Celso Alves Pereira analisa o clima nas duas Casas do Congresso em relação à Presidenta Dilma Rousseff.

    O advogado Antônio Celso é professor das Universidades Federal e Estadual do Rio de Janeiro. Ele falou com exclusividade para a Sputnik Brasil.

    Sputnik: O que o senhor espera do Congresso nesta retomada de trabalhos e num segundo semestre que promete ser de temperatura elevada em termos políticos?

    Antônio Celso Alves Pereira: Há o problema do presidente da Câmara; há a questão da Operação Lava Jato; há as questões todas ligadas à economia; a pauta-bomba que o presidente da Câmara ameaçou colocar com projetos que encarecem e complicam o ajuste fiscal. O país está nessa crise enorme e todo dia é adicionada uma situação nova piorando a crise. Vamos ver se com a abertura do Congresso se consegue serenar algumas coisas e melhorar a situação.

    S: A Câmara dos Deputados continuará votando sistematicamente contra os projetos do Executivo?

    ACAP: Houve um arrefecimento depois da reunião com os governadores. Embora a reunião não tenha sido muito produtiva para a presidente, os governadores estão apavorados com projetos que possam aumentar as despesas dos Estados, que também estão em crise. A situação está muito grave, e por isso os governadores podem ajudar a presidente neste momento, em alguns dos problemas, principalmente nessa pauta-bomba do presidente da Câmara.

    S: O senhor acredita que a presidente tenha força política atualmente junto aos presidentes do Senado, Renan Calheiros, e da Câmara, Eduardo Cunha, para tentar conter essas apresentações de pedido de impeachment?

    ACAP: Ela [a presidente] está procurando se reaproximar do presidente do Senado, Renan Calheiros. Com o Deputado Eduardo Cunha a situação é muito difícil, e ela vai ter que buscar apoio da base aliada à margem do presidente da Câmara. Ela pode talvez conseguir esse apoio através do Vice-Presidente Michel Temer e reforçar-se politicamente para conseguir a rejeição de um eventual pedido de impeachment.

    S: Alguns parlamentares já começam a abraçar a ideia de um possível referendo em torno de uma consulta popular para a adoção do parlamentarismo no Brasil. Nós temos ambiente político para o parlamentarismo?

    ACAP: O parlamentarismo seria o ideal, mas não neste momento. Acho que não há ambiente para isso, e seria encarado como um golpe.

    S: O ministro da Fazenda, Joaquim Levy, disse aos congressistas que a presidente não é refratária à ideia de reduzir o número de ministérios. O Brasil tem hoje 39 ministérios. O Estado está muito grande?

    ACAP: É um Estado ineficiente, que não resolve nenhum dos problemas mais essenciais da população brasileira, como saúde, educação e segurança. Nos países mais avançados do mundo, o número de ministérios oscila entre 15 e 20, no máximo 25. Nós temos 39. Diminuir [o número de Ministérios] tem um poder simbólico enorme, que mostra o interesse em enxugar a máquina e diminuir o peso do Estado e o custo, que cai na mão do contribuinte. Pagamos uma das mais altas taxas de impostos do mundo, sem retribuição nenhuma por parte do Estado. O Brasil precisa urgentemente de reforma política e reforma do Estado. A única coisa boa que está funcionando no Brasil é que estamos demonstrando uma fortaleza das instituições democráticas, e isso é muito importante, é uma grande vitória.

    Tags:
    Senado Federal, Câmara dos Deputados, Sputnik, Antônio Celso, Michel Temer, Renan Calheiros, Eduardo Cunha, Joaquim Levy, Dilma Rousseff, Brasília, Rio de Janeiro, Brasil
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik