10:08 22 Agosto 2017
Ouvir Rádio
    Presidente Temer durante pronunciamento oficial, 18 de maio de 2017

    Temer tenta alavancar exportações de sapatos nacionais

    Agência Brasil
    Notícias
    URL curta
    Temer visita Moscou (16)
    3201 0 0

    Durante sua visita oficial a Moscou, um dos pontos da agenda do presidente Michel Temer (PMDB) foi tentar alavancar as vendas de sapatos brasileiros para o mercado russo - o país é um dos principais compradores dos calçados brasileiros.

    Temer e Putin conversam durante apresentação do Balé Bolshoi, em Moscou, na Rússia
    © Foto: Beto Barata/PR
    O peemedebista havia sido criticado setembro de 2016 por ter comprado um sapato no shopping de Hangzhou, durante a a cúpula do G20 na China.

    Em 2016, o Brasil vendeu US$ 11,8 milhões em sapatos para o mercado russo. A diretora de projetos da Abicalçados (Associação Brasileira da Indústria de Calçados) Roberta Ramos afirmou que foi cerca de 1 milhão de pares comercializados no período e os itens de maior sucesso são os calçados femininos.

    A Abicalçados realiza exposições de produtos brasileiros em Moscou e, com a ajuda da Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex), financia a vinda de compradores russos para o Brasil.

    "Nós enxergamos não só um mercado muito aberto para nossos produtos, e que reconhece o valor com uma percepção positiva, como também um mercado com grande oportunidade de crescimento", afirma Roberta Ramos.

    A assessoria de imprensa do Palácio do Planalto informou que no início de junho foi realizada a 5ª Missão Comercial Russa, com a participação de 34 marcas brasileiras de calçados. O evento tem a expectativa de gerar até US$ 4,12 milhões em negócios.

    Entre janeiro em maio deste ano, o Brasil vendeu US$ 4,05 milhões em calçados para a Rússia — uma queda de 26,3% na comparação com o mesmo período de 2016.

    Tema:
    Temer visita Moscou (16)
    Tags:
    Abicalçados, Apex Brasil, Michel Temer
    Padrões da comunidadeDiscussão
    Comentar no FacebookComentar na Sputnik